Pular para o conteúdo principal

América x Treze (1975)

Gilvan: O artilheiro da Partida
O pesquisador Jônatas Pereira enviou para a redação do BlogHE uma preciosa reportagem do Diário da Borborema que mostra a saga do Mequinha enfrentando grandes times da Parahyba em 1957.
Depois de vencer o Náutico de Itabaiana e o Campinense Clube, tinha pela frente, em dezembro daquele ano, a forte equipe do Treze F. C.
A partida aconteceu no Estádio José Ramalho, em Esperança. A esquadra campinense dominou os minutos iniciais, realizando algumas incursões à área americana, em que Tota ameaçou o gol adversário com nítida impressão de que os galos venceriam. Tudo não passou disso, pois o Mequinha não se deixou abater, retomando imediatamente o mando de jogo.
O ataque americano não tardou encontrar as falhas trezeanas e, aos dez minutos do primeiro tempo, o centroavante Gilvan marcou o primeiro gol do time da casa, depois de receber excelente passe de Jurinha.
No segundo tempo, apesar de não demonstrar o futebol ofensivo do primeiro tento, Gilvan marca mais um gol aos três minutos, com passe de Teixeirinha, perdendo a equipe campinense ainda uma boa oportunidade, com uma bola na trave desperdiçada por Colher.
Os trezeanos mais exaltados ora culpavam o plantel, ora o treinador Geraldo Melo. A diretoria também era chamada à responsabilidade, para por um fim aquela situação em que o Treze se encontrava.
O América entrou em campo com Tota, Erasmo e Gril, Cícero, Olímpio. Jurinha, Gilvan, Teixeirinha, Caé, Pretinha e Zinha.
O Treze estava representado por Jairton, Nelson e Urai, Joab, Sílvio e Milton, Mário II, Mário I, Bé, Ruivo e Natanael.
A crônica esportiva elegeu o jogador Gilvan Gonçalves de Lima como artilheiro da partida, numa das mais bonitas vitórias da equipe de Esperança:
“O Treze, além de não se apresentar como das vezes anteriores frente ao mesmo América, encontrou no conjunto de José Ramalho um antagonista que, acima de outra coisa, soube se aproveitar das gritantes falhas não somente de sua defensiva, como de seu ataque, que foi quase que totalmente anulado”.
O jogo foi apitado por Otacílio Flor, que foi considerado bom juiz, auxiliado por Severino Felix e Delosme Farias. A renda foi de Cr$ 35.000,00 (trinta e cinco mil cruzeiros).

Rau Ferreira


Tão logo esta matéria foi ao ar, em meu perfil do Facebook, recebeu o seguinte comentário de Joacil Braga Brandão:
Meu amigo Rau Ferreira!Tive o prazer de assistir o jogo contra o Treze Futebol Clube. Papai era trezeano, abria longas discursões com os amigos na segunda-feira à tarde nos batentes da Alfaiataria do Nequinho, onde também trabalhava o Tio Jurinha como ajudante de alfaiate, vizinho ao Foto Braga. Nunca entrei nessas conversas. A turma se empolgava muito.
O Tio Jurinha foi considerado o melhor ponteiro da história do América. Recebeu, inclusive, convite para treinar no Náutico do Recife. Treinou para avaliação, mas não foi contratado devido à lesão no menisco. Ele já jogava com dupla joelheira. Tinha estatura, velocidade e drible fácil.O Arlindão era um trator, no estilo inferior ao antigo Nunes do Santa Cruz de Recife, que posteriormente chegou à Seleção Brasileira. Levava os zagueiros adversários no peito.Nota 10, para o América!Nota 10, por você relembrar esse timaço!Um abraço!

Referências:
- DIÁRIO DA BORBOREMA, Jornal. Edição de 10 de dezembro. Campina Grande/PB: 1957. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…