Pular para o conteúdo principal

SOL comenta "A Voz da Terra" de Peryllo D'Oliveira


Peryllo: www.casadamemoriaararuna.com
Severino Peryllo D’Oliveira foi um grande poeta. O mulato filho de Araruna/PB saiu de casa aos 15 anos, atraído por uma atriz italiana dirigente de uma companhia de teatro. Depois de experimentar os palcos, voltou à Parahyba com o também poeta Silvino Olavo. A sua obra passeia pelo lírico e modernismo. Depois de publicar “Canções que a vida me ensinou” (1925) e “Caminho cheio de sol” (1928), trazia à lume “A voz da terra” (1930) a propósito do qual fazia o amigo Silvino belíssimo ensaio.
O livro – apesar de melancólico – trazia a “brasilidade” tão esperada por aqueles jovens, que acabaram de conhecer Mário de Andrade quando de sua visita à Parahyba, sendo esta “o embrião de uma alegria sui generis”.
Dizia Olavo encontrarem-se os dois agora no mesmo plano poético, num “changuez admirável!” e acrescenta: “essa filosofia melancólica, que é o segredo da sua harmonia anterior, nem a nota desse otimismo que não chega a ser idealismo”.
De fato, se compararmos as poesias “Conselho” de Perylo e “Alegria interior” de Silvino iremos perceber uma aproximação do primeiro em relação ao segundo, com muita identidade no primeiro poema.
A título de exemplo, eis alguns versos extraídos destes poemas:
Se és triste e te consagras à Beleza,
Compreende a alegria de ser triste
E ama serenamente essa tristeza... [Olavo: 1927]

Se és triste, ergue para o alto a tua taça
e canta, pois cantando
farás com que o sofrer seja mais brando

e esquecerás, talvez, tua desgraça. [Perylo: 1930]
Os poemas d’A voz da Terra encerravam não apenas a síntese da fé e do espiritualismo do autor, mas a própria fé católica em sua essência. Citando um parênteses, Silvino então enaltece aquele escrito: “Brasil sem modos moreno piegas – maxixes, modinhas, pastoris e catimbó. Brasil valentão ciumento que por qualquer coisa catuca o amor e o destino com faca de ponta”.
E finaliza com um breve conselho: “Continue assim, caríssimo poeta, servindo às belas perspectivas do seu espírito e espere, que lhe não tardarão os louros que você merece”.
D’Oliveira é patrono da Cadeira nº 25 da Academia Paraibana de Letras, enxerto deste trabalho que trago os versos d’A Voz Triste da Terra, publicados na Revista de Antropofagia:
Eu devia ter ficado
perdido nos meus terrores

Não me deviam ter dito
os nomes das coisas bonitas
que os barcos trouxeram de longe
nem a natureza de tudo o que eu via.
Deviam ter deixado que eu adivinhasse...
Eu adivinharia!

Peryllo faleceu ainda jovem, aos 32 anos, em sua residência, no Jaguaribe. Os poucos amigos acompanharam o seu féretro ao Cemitério da Boa Sentença, descendo à sepultura em 26 de agosto de 1930.

Rau Ferreira


Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Ed. Julho. Parahyba do Norte: 1930.
- ANTROPOFAGIA, Revista (de). Ano I, Nº 5. Dir. Antônio Alcântara Machado. Gerência de Raul Bopp. Setembro. São Paulo/SP: 1928.
- FLORES, Rosali Cristofoli. Acervo do Memorial da Academia Paraibana de Letras: Conhecimento para preservação. UFPB. João Pessoa/PB: 2010.
- PARAHYBA, Anuário (da). Imprensa Official. João Pessoa/PB: 1934.

- SITE, Casa da Memória “Severino Cabral de Lucena”. Peryllo D’Oliveira: Dados biográficos. Disponível em: http://www.casadamemoriaararuna.com/peryllo.htm#Dados Biográficos, acesso em 23/04/2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…