Pular para o conteúdo principal

O jurista Silvino Olavo

Silvino Olavo foi – na expressão de Samuel Duarte – um dos maiores juristas de sua época; não por acaso, sua tese (Estética do Direito) foi recepcionada pelos acadêmicos, seus pares, quando de sua oratória por ocasião da formatura em seu bacharelado de Direito, sendo referendada em diversos trabalhos.
Como advogado, mantinha escritório na rua 05 de agosto nº 55, na Capital parahybana, atuando em causas cíveis, criminais e em inventários. Nessa condição, participou do jantar íntimo oferecido pelos bacharéis e amigos do Desembargador Flodoardo da Silveira, no Hotel Globo em João Pessoa, por motivo de sua nomeação para a mais alta Corte Paraibana.
João Lyra, revisitando suas memórias, destaca que Silvino participara da Academia de Letras e Ciências Jurídicas, organizada sob os moldes da Academia Brasileira de Letras, participando do corpo congregado até 1924.
Com o retorno à Parahyba, desfilou-se daquele corpo congregado e, em seu Estado natal, fora nomeado 1º Promotor da Capital, pelo eminente amigo, Dr. João Suassuna, integrando ainda o Conselho Penitenciário do Estado.
Olavo defendera a Parahyba quando caluniada injustamente acerca dos impostos de transição entre Pernambuco, e advogada em Habeas Corpus que chegara ao Tribunal da Parahyba contra o Dr. Evando Souto, de cujo recurso pendiam outros duzentos processos, aguardando o deslinde deste HC com reflexos nas decisões posteriores.
Com notório reconhecimento, assumiu as funções de chefe de gabinete do Presidente João Pessoa, sendo ainda, fiscal do imposto, conquistado através de concurso público federal.

Rau Ferreira

Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 09 de março. Parahyba do Norte: 1926.
- ABL, Revista (da). Ano XIX, Nª 83. Ed. Novembro. Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro/RJ: 1928.
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Edições Banabuyé. Epgraf: 2010;
- FILHO, João Lyra. Cachimbo, pijama e chinelos: Memórias. Editora Edaglit: 1963.

- FOLHA DA MANHÃ, Jornal. Ano III, N. 897. Edição de 11 de novembro. São Paulo/SP: 1927.

Comentários