Pular para o conteúdo principal

Banabuyé 1817: Alarme falso!

Bandeira revolucionário de 1817. Fonte: Wikipédia
A “Revolução Pernambucana” foi assim denominada por ter origem naquela Capitania. Deflagrada em 06 de março de 1871, a revolta separatista contava com o apoio de sociedades secretas influenciadas pelos ideais iluministas e alguns provincianos, destacando-se dentre eles o cidadão Antônio Gonçalves da Cruz (Cabugá), que poucos dias depois embarcara para os Estados Unidos como embaixador do governo revolucionário.
A monarquia vivia o seu declínio. Napoleão Bonaparte estava exilado na ilha de Santa Helena e a única tentativa de resgate foi frustrada. O governo imperial – a exemplo de outras revoltas – enviara tropas para aplacar os revoltosos.
Em meio a todos esses acontecimentos, chega ao conhecimento do comandante Antônio José da Silva a notícia de que foi visto um exército em Banabuyé (atual município de Esperança) que precisava ser reprimido. O conteúdo desse documento histórico nos foi enviado pelo confrade e sócio do IHCG, historiador Josemir Camilo de Melo, que passo a transcrever:
Senhores do Governo Interino,
Ontem pelas 9 horas da noite veio uma notícia de que foi visto um exército no lugar Bonabuie, distante deste lugar 6 léguas, dei logo as providências necessárias e mandei um piquete avançado a saber da certeza, e agora chega o dito piquete certificando-me que era mentira, e sim foi um alvejamento de espingardas, logo fiz diligência por prender o dito mentiroso.
Por esta causa foi preciso fazer algumas matalotagens para dar o sustento às tropas que aqui apareceram e as fiz do gado do preso Antônio Fernandes Nobre que aqui se achava.
Agora me chegaram cartas do Seridó e Piranhas dos comandantes e capitães das ditas ribeiras em que me certificam que os ditos lugares se acham em sossego e com bandeiras portuguesas, só sim dizem que as tropas de Seridó, Piranhas e Açu subiram para Porto Alegre aonde se dizia que havia algum partido dos provisórios.
Brejo de Areia, 27 de maio de 1817.
Deus guarde a Vossas Senhorias.
De Vossas Senhorias soldado súdito
(a.) Antônio José da Silva"

Único movimento que ultrapassou os limites da conspiração, seu governo provisório teve duração efêmera (apenas três meses), mas a sua ideologia, transmitida por líderes como Domingos José Martins e Frei Caneca, disseminou no reino a semente da democracia e da república
Em relação a participação de Banabuyé neste corso, as informações colhidas pelos milicianos nos dão conta de que tudo não passou de um “alarme falso”.

Rau Ferreira

Referências:
-         CONTINENTE, Revista. Ano XVII. Edição Nº 195. Edição de março. 1817: Um ano para não esquecer. Companhia Editora de Pernambuco – CEPE. Recife/PE: 2017.

-         FERREIRA, Rau. Frei Caneca em Campina Grande. Ebook. Edições Banabuye. Esperança/PB: 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…