Pular para o conteúdo principal

SOL: Promotor Público

Dr. Silvino Olavo
A promotoria de justiça é função relevante para o nosso Estado e de grande notoriedade nos países que adotam o sistema do “Common law”. Ela possui função: defender a ordem jurídica (custos legis) e sociedade. Mas o órgão ministerial é mais conhecido por oferecer a denúncia em face das infrações penais, a denominada persecução criminal.
Em março de 1926, Silvino Olavo da Costa era nomeado 1º Promotor Público da Capital paraibana pelo então Presidente do Estado Dr. João Suassuna – a quem chamava de “meu eminente amigo” -, sobressaindo-se nas lides jurídicas.
Apesar da previsão de concurso, o provimento na maior parte ocorria através de portaria do governo estadual. Não obstante, o governador privilegiava o critério do notável saber jurídico evitando-se que “leigos e pessoas quase analfabetas exerçam cargos importantes da magistratura e ministério público” (MS-AL: 1926).
Silvino era conhecido não apenas pelo seu livro de poesias (Cysnes), mas pela publicação de sua tese de formatura: “Estética e Socialização do Direito”, vertida para a língua inglesa, e publicada em N. York. Além disso, era um grande orador. Eis o registro de sua atuação:
Nomeado promotor público da capital, por João Suassuna, se destaca na tribuna forense como orador e jurista de escol” (PEREIRA: 2015).

Para comemorar o fato, reúne os amigos para uma agradável ágape. Com efeito, os seus contemporâneos o tinham como uma das mentes mais brilhantes do direito de sua época.
Deste acontecimento nos dá conta o jornal A União, a seguir transcrito:
Por motivo de sua recente nomeação para o cargo de 1º Promotor Público desta Capital, ao ilustre intelectual dr. Silvino Olavo um grupo de amigos vai oferecer um almoço, que terá lugar sábado, num hotel desta Capital” (A UNIÃO: 09/03/1926).

O Júri da Capital se reuniu quatro vezes em 1926. A primeira e a segunda seção foram presididas pelo Juiz do 1º Ofício, ao qual Silvino estava vinculado, submetendo a julgamento 21 processos (MS-AL:1927).
Exercendo este “múnus” público ainda enfrentou uma audaciosa peleja jurídica. Por ocasião da seção do 1º Tribunal do Júri da Capital de 1927, Silvino conseguiu a condenação de um réu. Insatisfeito, o Advogado do acusado, Dr. Evandro Souto, impetrou habeas corpus. O caso estava pendente de recurso no antigo Superior Tribunal - hoje Tribunal de Justiça da Paraíba - onde 200 feitos aguardavam o mesmo deslinde.
A defesa pugnava pela nulidade do processo, por se encontrar o dito promotor interinamente no cargo. A teoria da transitoriedade era falha, pois à época existia uma norma que proibia a administração de nomear interinamente os promotores, que era seguida à risca por Suassuna.
Na verdade, Silvino assumiu as funções de promotor em substituição ao Dr. Manuel Paiva, que se afastou do cargo para assumir a Procuradoria Geral do Estado (MS-AL: 1926). Acreditamos, portanto, que o Tribunal parahybano desproveu o recurso, denegando a ordem de habeas corpus.
Também na qualidade de Promotor de Justiça Silvino passa a integrar o Conselho Penitenciário do Estado, cuja finalidade era a de emitir pareceres sobre a liberdade dos apenados. Instalado em maio de 1927, este colegiado era constituído por “autoridades, advogados e médicos” (SUASSUNA: 1927, p. 58).
Faziam parte do Conselho, além do nosso ilustre poeta: Guilherme da Silveira (advogado), José Américo de Almeida (Consultor Jurídico do Estado), Adhemar Vidal (Procurador da República), Irineu Joffily (advogado), os médicos Newton Lacerda e Joaquim de Sá e Benevides e o Diretor da Cadeia Dr. Arthur Urano. Segundo o relatório presidencial, enviado à Assembleia Legislativa:
Foram emitidos pelo Conselho 43 pareceres sobre indulto e 5 sobre livramento condicional. Destes, obtiveram parecer favorável dois, sendo postos em liberdade os sentenciados Manuel Galdino Gomes e Belarmino Luiz de França.
Das 43 petições de indulto, apenas 5 foram informadas de modo favorável pelo Conselho e por mim atendidas pelos decretos 1.442 e 1.447, de 9 de agosto e 7 de setembro do corrente ano, em homenagem à chegada do Presidente Wahsington Luiz a esta Capital e ao 7 de setembro de 1822” (MS-AL: 1926).

Ao final do mandato de Suassuna (1924-1928), Silvino fora então exonerado, tendo atuado como Promotor até fevereiro de 1928.

Rau Ferreira


Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 05 de fevereiro. Parahyba do Norte: 1928.
- A UNIÃO, Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 09 de março. Parahyba do Norte: 1926.
- A UNIÃO. Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 01 de outubro. Parahyba do Norte: 1926.
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Epgraf. Edições Banabuyé. Esperança/PB: 2010.
- FOLHA DA MANHÃ, Jornal. Ano III, N. 897. Edição de 11 de novembro. São Paulo/SP: 1927.
- PEREIRA, Cleanto Gomes. Um notável poeta louco. Disponível em: http://salesferreira.blogspot.com.br/2014/12/silvino-olavo-um-notavel-poeta-louco.html, acesso em 30/10/2015.
- SUASSUNA, João. Mensagem à Assembléia Legislativa. Impr. Oficial. João Pessoa/PB: 1926.
- SUASSUNA, João. Mensagem à Assembléia Legislativa. Impr. Oficial. João Pessoa/PB: 1927.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…