Pular para o conteúdo principal

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte IV)

O Centro Estudantal de Esperança/CEE desempenhou um papel importante na resistência contra a Ditadura Militar, instaurada no Brasil pós-64. Os estudantes da época eram politicamente envolvidos nos debates contra o sistema, embora houvesse aqueles que permaneciam na retaguarda do movimento e outros a favor da militarização.
O engenheiro Antônio Fernandes ingressou nas fileiras do CEE em 1966, chegando à Presidência em 1970. Foi nesse período que se instituiu um “grupo pensante” em Esperança. As suas reuniões eram realizadas na sede do Centro, que ficava localizada na Praça da Bandeira.
Além do debate fervoroso em prol da liberdade, os estudantes produziam e lançavam manifestos. Os panfletos eram colocados de madrugada por baixo das portas. Participaram deste movimento: Pedro Paulo de Medeiros, Pedro Dias do Nascimento, João Leal e Antônio Ferreira Filho.
Foi então que as atividades do CEE chamaram a atenção das autoridades, passando a ser observadas de perto pelos “dedos duros”. Os principais órgãos repressivos da época eram o Comando de Caça aos Comunistas/CCC e o Departamento de Ordem Política e Social/DEOPS, para os quais eram encaminhadas as “denúncias de subversão”.
O Centro Estudantal chegou a ser arrombado e revirada a sua sede em busca de material considerado “impróprio”. O grupo foi desfeito após a edição do Decreto nº 477 de 26 de fevereiro de 1969, que entre outras coisas extinguia os centros estudantis do país.
Sob outros aspectos, atuaram na luta contra a ditadura Samuel Vital Duarte e José Bezerra Cavalcante. Este último chegou a sair do país, indo residir na Alemanha durante alguns anos.
Samuel afrontou o regime militar ao proferir palestra na 3ª Conferência Nacional dos Advogados, realizada no Recife em dezembro de 1968, sob o tema: “O Estado Constitucional de Direito e a garantia dos direitos fundamentais da pessoa humana”.
Zezinho – um dos integrantes do movimento literário/artístico “Geração 59” – militou no movimento estudantil representando a União Nacional dos Estudantes/UNE no Comitê Preparatório do 8º Festival Internacional da Juventude em Helsinque na Finlândia e foi assessor da União Internacional dos Estudantes/UIE em Praga na República Checa.
Citemos ainda Chico Souto, que teve seu mandato cassado enquanto Deputado Estadual pela Arena em 1968. No processo de cassação, as acusações contra sua pessoa foram assim resumidas:
“[Francisco Souto Neto] Agitador. Protestou contra as explosões atômicas realizadas por Norte-americanos no Nordeste. Atuou de forma marcante no movimento estudantil de protesto quando da morte do estudante EDSON LUIZ nas agitações estudantis de 1968. Comunista ou simpatizante. Contribuiu com importância em dinheiro para a realização do VII Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes pela Paz e Amizade. Desempenhou tarefas de grande importância no PC. Estabelecia contatos com altos dirigentes comunistas na Paraíba inclusive com LUIZ CARLOS PRESTES. Defensor das “Ligas Camponesas”. Participou da mesa que dirigiu os trabalhos da Conferência da comunista argentina CÉLIA DE LA SERNA DE GUEVARA, em 20 de maio de 1961, na Faculdade de Direito de João Pessoa. Foi um dos que mantiveram contato com o dirigente comunista JACOB GORENDER em JOÃO PESSOA, em 27 de março de 1962. Assinou manifesto da Frente Parlamentar Nacionalista, publicado no “Correio da Paraíba”, de 5 de maio de 1963. Documento que caracteriza a orientação comunista do marginado, bem como sua atuação subversiva”.

Na mesma época, Francisco Cláudio (Chico de Pitiu) formou uma célula do Partido Comunista/PC em Esperança, do qual participavam Jaime de Pedrão e Chico Braga. A célula agregava os simpatizantes do Socialismo e do Comunismo local, até que foram “dedurados” provocando o desligamento dos seus membros. Comenta-se no município, por exemplo, que Chico Braga passou um tempo afastado de seus trabalhos, permanecendo oculto na serra do Algodão.

Rau Ferreira


Referências:
- ANPUH/PB, Anais Eletrônicos do XVI Encontro Estadual de História. Poder, Memória e Resistência: 50 Anos do Golpe de 12964. 25 à 29 de Agosto. ISSN: 2359-2796. Campina Grande/PB: 2014.
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- IN MEMORIAM, Francisco Souto Neto. Governo do Estado da Paraíba: 1996.

- SÃO PAULO, Comissão da Verdade. Tomo I, Parte II. Disponível em http://verdadeaberta.org/relatorio/tomo-i/downloads/I_Tomo_Parte_2_Perseguicao-ao-Movimento-Estudantil-Paulista.pdf, acesso em 21/12/2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…