Pular para o conteúdo principal

Barragem de Vaca Brava

Açude Vaca Brava, Canalização do Guari (Voz da Borborema: 1939)
Tratamos deste assunto no tópico sobre a Cagepa, mais especificamente, sobre o problema d’água em Esperança, seus mananciais, os tanques do Governo e do Araçá, e sua importância. Pois bem, quanto ao abastecimento em nosso Município, é preciso igualmente mencionar a barragem de “Vaca Brava”, em Areia, de cujo líquido precioso somos tão dependentes.
O regime de seca, em certos períodos do ano, justifica a construção de açudagem, para garantir o volume necessário de água potável. Nesse aspecto, a região do Brejo é favorecida não apenas pela hidrografia, mas também pela topografia que, no município de Areia, apresenta relevos que propiciam a acumulação das chuvas.
O riacho “Vaca Brava”, embora torrencial, quase desaparece no verão. Para resolver o problema, o Governador Argemiro de Figueiredo (1935/1940) adquiriu, nos anos 30, dois terrenos de cinco engenhos, e mais alguns de pequenas propriedades, na bacia do açude, criando assim a “zona de proteção” do manancial, indispensável a sua conservação, com desenvolvimento das matas e isolamento do público e de animais.
A faixa de proteção atinge uma área de 600 a 800 hectares de terra, que custou ao Estado 800 contos de réis, em uma extensão de 21 Km do seu entorno. Outros 150 hectares de superfície também são necessários para o represamento.
A mata, de proteção ambiental, sofreu reflorestamento com madeiras de lei, da qual ficou encarregada a Escola de Agronomia de Areia.
Em reportagem da época, registrava-se que: “O volume d’água armazenada no açude até a cota da soleira do sangradouro é de 3.450.000 metros cúbicos, suficiente a fornecer diariamente 4.000 metros cúbicos de água” e “uma vez cheio o açude, podem-se abastecer fartamente 40.000 pessoas”.
O serviço foi executado pelo governo estadual em parceria com o governo federal, através da Inspetoria de Obras Contra as Secas/IFOCS. No projeto, estavam não apenas a barragem, mas aquedutos, prefiltro, usina elevatória, linha de recalque, adutora e unidade de tratamento. Estimava-se que o reservatório seria capaz de fornecer água pelos próximos 20 anos:
“A barragem, construída pela Inspetoria de Obras Contra as Secas, em cooperação com o Estado, é de terra comprimida, tendo uma altura total de 29 metros, comprimento de 180 no coroamento e largura de 120 na base. O sangradouro está em terreno firme na ombreira direita, tendo 30 metros de largura e três de altura; dará vasão a uma descarga máxima prevista para o riacho, de 100 metros cúbicos por segundo com uma lâmina d’água de 150 metros. A altura máxima de água no açude será de 24 metros, no momento das maiores cheias do rio”. (Voz da Borborema: 1939).

Construiu-se, ainda, uma torre de tomada de águas e manobras, próximo a barragem, uma coluna de concreto armado vertical, com tubos de ferro de três alturas diferentes, espaçadas em 3,50 metros, sendo a mais alta 1,50 metro da soleira. Seu objetivo era melhorar a captação, com o máximo de decantação do lago, mesmo com o rebaixamento após prolongada estiagem.
Após a sua construção, foi possível verificar um volume de 3.783.556 m³ (Aesa/PB).
Até aquele momento (1939), Esperança permanecia sendo abastecida pelos entregadores, com seus burros e carroças, de porta em porta, que carregavam água ora do Araçá, ora do 16 de Agosto (Tanque do Governo); o açude Banabuyé, também servia a esses propósitos, sendo o lugar para se lavar roupa e tomar banho público.
O problema d’água somente começou a ser solucionado em 1958, com as obras executadas pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), que canalizou as águas de “Vaca Brava” (Areia) para o Município de Esperança.

Rau Ferreira

Referências:
- CÂMARA, Epaminondas. Datas Campinenses. Edição do Departamento de Publicidade. Secretaria de Educação. Campina Grande/PB: 1947.
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes historiográficos do Município de Esperança. SEDUC/PME. A União. Esperança/PB: 2016.
- RHCG, Blog. Retalhos Históricos de Campina Grande. Editor Emmanuel Souza. Disponível em: http://cgretalhos.blogspot.com.br/, acesso em 21/12/2016.
- VOZ DA BORBOREMA, Jornal. Ano III, Nº 16. Direção de Acácio de Figueiredo. Edição de 09 de março. Campina Grande/PB: 1939.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…