Pular para o conteúdo principal

Mistério dos Caldeirões

Caldeirão, inscrição. Crédito da imagem: Thomaz Bruno - SPA
O Sítio Caldeirão, há aproximadamente 12 km da sede do Município de Esperança, seguindo pela estrada de Camará, esconde um mistério pouco explorado. Trata-se de uma importante Itacoatiara com gravuras produzidas sob a técnica da meia-cana que muito se assemelham as da Pedra do Ingá.
Os petrogrifos, segundo dizem, foram “feitos por um povo misterioso que habitou a Paraíba e que deixou sua história gravada em pedras espalhadas por vários municípios”.
Segundo levantamento procedido pelo historiador Vanderley de Brito e estudos da Sociedade Paraibana de Arqueologia – SPA, transcritos no livro “Paraíba – meu passado, meu presente”, este lajedo é formado:
“(...) por plataformas em sete degraus, no leito do riacho Doce. Na primeira queda d’água formou-se um belíssimo caldeirão na meia encosta e há um lago, abaixo, que recepta as águas que excedem do caldeirão. Muitas gravuras rupestres entalhadas nesse painel já foram desgastadas pela cascata que é praticamente constante nessa área do brejo. A composição do painel tem incrível semelhança com as Itacoatiara do Ingá, tanto na técnica de gravar quanto na composição dos símbolos”.

Para o Professor Juvandi de Souza (2014):
"Trata-se de um lajedo em gnaisse, com aproximadamente 130 metros de comprimento e cerca de 30 de largura, sob o qual corre o riacho Ribeiro, que nos meses chuvosos mostra-se especialmente bonito formando pequenas cachoeiras ao longo do lajedo, assim como pequenos e diversos reservatórios".

Há quem diga que essas inscrições seriam o marco da presença dos fenícios no Brasil. Esta tese é defendida pelo catedrático Padre Rolim, pelos pesquisadores Ludwig Schwennhagen e Bernardo de Azevedo da Silva Ramos, e pela escritora Fernanda Palmeira (História Antiga do Brasil). Alguns teóricos preferem dizer respeito à presença dos indígenas da tribo Cariri. Já os defensores da literatura fantástica atribuem a obra extraterrestre, supondo tratar-se de uma tábua astronômica.
Os fenícios habitavam a costa mediterrânea (2.500 a.C.), numa faixa de terras de 30Km hoje pertencente ao Líbano. Foram escravizados pelos Egípcios, recebendo influência dos Babilônios. Eram marinheiros e comerciantes em sua maioria, supondo-se terem navegado diversas partes do planeta e, inclusive, aportado no Brasil.
Os Índios Cariris que ocupavam o litoral quando, por volta de 1500 d.C. foram expulsos pelos Tupis-guaranis e forçados a se estabelecerem no Planalto da Borborema. Primatas ferozes, eram originalmente nômades e viviam da caça e pesca, não praticavam a agricultura e diziam ter vindo de um grande lago. Em Esperança fixaram-se nas proximidades do Tanque do Araçá, um importante reservatório de água potável, mas há registros de sua passagem em Lagoa de Pedra onde se encontram algumas inscrições rupestres.
As gravuras do “Caldeirão” estão dispostas no lado esquerdo do curso d’água, na parte mais alta do lajedo nas coordenadas: L.S. 07001’55.8” e L.O. 35047’55.0”. A figura principal assume a forma de um círculo com haste formando algo parecido como uma âncora, mas podemos encontrar o desenho de um círculo talhada na pedra.
Os desenhos gravados na rocha - denominados de capsulares - se encontram entre a primeira e segunda queda d’água. Acredita-se que havia outras inscrições que certamente foram “apagadas” pelo desgaste e erosão das águas. Em épocas chuvosas o volume encobre parcialmente a visibilidade das figuras.
O lugar seria propício para o turismo ecológico, necessitando de incentivo do poder público para este empreendimento.

Rau Ferreira

Referências:
- BRITO, Vanderley de. A Pedra do Ingá: Itacoatiaras da Paraíba. 5ª ed. Maxgraf. Campina Grande/PB: 2012.
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. Esperança/PB: 2015.
- OLIVEIRA, Iranilson. e OLIVEIRA, Catarina. Paraíba – meu passado, meu presente. História. FNDE. 4° e 5° Ano. ISBN: 978-85-7905-679-6. Base Didáticos: 2010.

- SANTOS, Juvandi de Souza. Estudos da Tradição Itacoatiara na Paraíba: Subtradição Ingá? Ed. Cópias & Papéis. Campina Grande/PB: 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…