Pular para o conteúdo principal

Fazenda Bela Vista

Da inspiração de Sol à luta agrária

Fazenda Bela Vista (anos 80)
Alvo de disputas por terras no passado, a Fazenda Bela Vista guarda muitas histórias. Ali morou durante 18 anos o poeta e intelectual esperancense Silvino Olavo da Costa. A casa sede da propriedade está localizada no final da Rua Barão do Rio Branco, no bairro Beleza dos Campos, e tem uma posição privilegiada. Próximo a “Ladeira do Mouco”, em um dos pontos altos da cidade, a residência construída em 1937 já sofreu algumas reformas, o que alterou sua estrutura original.
Antigamente podia ser visto ali um relógio de pêndulo, datado de 1910, e outros utensílios bem antigos. Ao lado daquela morada existe um pé de jucá com mais de 100 anos, e que provavelmente tenha inspirado o poeta, pois vivera lá parte da infância e voltaria em 1952.
Após sucessivas transmissões, restou a propriedade nas mãos de Valdemar Cavalcante e alguns herdeiros do poeta, fiscal da receita que arrendara as terras há mais de 30 pessoas. Eram famílias que recebiam a terça parte da produção. Alguns estavam ali há mais de trinta anos. O rendeiro era considerado um bom patrão e havia prometido vender aquelas terras para os posseiros através do crédito fundiário.
No final de ’86, com o falecimento de seu Valdemar, a viúva e os herdeiros resolveram vender a propriedade que foi adquirida pelo ruralista Manuel Salvador.
O comprador fez “acordo de boca” para dar mil cruzeiros por cada hectare plantado aos arrendatários, com o compromisso de saírem da propriedade até setembro de 1988. O pacto não foi honrado pelo proprietário, que fechou a antiga estrada que dava acesso aos agricultores, dificultou o trato com a lavoura e registrou boletim de ocorrência policial por invasão. 
Iniciava-se assim a disputa por aquelas terras.
O passo seguinte para a desocupação foi acionar a justiça através de um mandado de reintegração que foi cumprido pelos oficiais de justiça desta Comarca: José Henriques da Rocha e Adriano de Araújo Pereira, com o apoio da polícia de Campina Grande, através de um delegado especialmente designado.
Após estes fatos, “Mané Oião”, como era mais conhecido, batizou a sede da fazenda de “Recanto do Inferno”, como ofensiva para aqueles que pretendiam a permanência naquelas terras, utilizando-se de uma prática muito conhecida dos fazendeiros, que é amedrontar com o uso da força manipulada por capatazes, mas também em afronta à própria religiosidade dos posseiros.
Trinta e sete famílias são expulsas da terra” – destacava o jornal estudantil “Novo Tempo” (1987). Eram meeiros e arrendatários, que teriam a preferência de compra.
Despejados, os “sem-terra” buscaram apoio junto à igreja local, ocupando os espaços do Sindicato Rural de Esperança. Também por um curto período, ficaram acampados em frente ao Forum desta Comarca, mas por ordem do juiz – Dr. Antônio do Amaral – foram retirados daquela praça.
Eles iniciaram uma disputa pela posse da terra, permanecendo e sendo expulsos/desalojados várias vezes. O conflito atraiu as atenções da Comissão Pastoral da Terra/CPT-PB e do Movimento dos Sem Terra/MST, dentre outros, que vieram em apoio à permanência dos então “posseiros”.
O próprio advogado de Mané ao perceber o uso da força bruta e práticas nada ortodoxas (uso de um trator para destruir a plantação e notícias de ataques e ameaças aos posseiros), abandonou a defesa processual. Das 32 famílias que ocupavam a fazenda, apenas 17 resistiram àquela investida.
A luta se intensificou quando os posseiros resolveram acampar em frente ao palácio do governo, na Capital do Estado, onde permaneceram até que o governador Tarcísio de Miranda Burity resolveu adquirir as terras da “Bela Vista”, concedendo o direito de posse aos agricultores-rendeiros.
A fazenda foi desapropriada em 1987 pelo INCRA, garantindo a posse definitiva àquelas famílias. A placa ofensiva foi reescrita para “Recanto da Esperança”.

Rau Ferreira

Referência:
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes historiográficos do Município de Esperança. SEDUC/PME. A União. Esperança/PB: 2016.
- PARAÍBA, Arquidiocese da. Nos posseiros da Bela Vista. CPDOC/SEDUP. João Pessoa/PB: 1987.

- SCHENATO, Vilson César. BATISTA, Mércia Rejane Rangel. Identidade, luta pela terra e resistência: Exercício analítico a partir de um assentamento na Paraíba. V. 35. N. 01. Raízes. UFCG: 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…