Pular para o conteúdo principal

Sol: Um erro de meio século

Quando das minhas andanças por força do ofício na Beleza dos Campos, deparei-me com um cidadão que me mostrando uma casa moderna disse que ali residiram dois grandes do direito local: um tal Silvino e o outro Dr. Durval.
Conheci o segundo, já velho e cansado peticionando em alguns processos criminais que diziam ser especialista, advogando para gente abastarda e comerciantes de carnes. Cheguei a visitar sua vasta biblioteca com aqueles compêndios encadernados e coleções de direito A-Z. Pareceu-me mesmo um grande tribuno defendendo a sua causa no júri. Foi a minha primeira grande impressão e acho até que estava decidido a ser bacharel. Não durou muito e, formado sem anel no dedo, aspirava já ser promotor...
Mas o que reclama esta minha crônica não é a vida pessoal e sim o que me dissera aquele desconhecido numa tarde de quinta-feira.
Narrava-me que certa feita que Silvino avistando o funeral de uma criança que passara repetira: “Nem todas as flores tem a mesma sorte, umas enfeitam a vida outras enfeitam a morte”.
De certo que imaginara o interlocutor ser de sua autoria a frase posta, que guardei na memória. Anos depois descobri que esta pertence ao provérbio português, também citado numa das canções por Bob Marley.
Na época nem imaginei que o velho quisesse exaltar a figura de um poeta que, para mim era desconhecido.
Anos mais tarde, me embrenhando na pesquisa cheguei à conclusão leviana: Silvino nunca dissera tal impropério como sendo seu e se o fizera certamente não fora esses os versos.
Creio, por mais absurdo que pareça, que a sua intenção – se é que o fato atribuído pelo transeunte realmente existiu – era recitar a quadra que fora publicada em ’97 na sua obra “Badiva”:

Atropelos d’Esta: - Senhor!
Antes da Vida e da morte!
Se tem sorte e tem amor,
Só tem amor, não tem sorte!

Pretensão minha querer corrigir um erro de meio século.
Quem sabe tudo não passou de uma “Bravata” daquele desconhecido, desfiando este pobre neófito recém concursado a conhecer a sua própria história.
Na lida diária fui testado em todos os sentidos. Mas fica aqui o registro: se as flores têm sorte diferente que dirá deste pobre escritor!


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…