Pular para o conteúdo principal

Esperança nos anos 40

Da séria “Esperança ao longo dos anos”, apresentamos agora, o aspecto sócio-econômico do Município de Esperança pelos anos 40, constante do Dicionário Corográfico de Coriolano de Medeiros.
Com extensão de 351 km2 registrava (1940) 1.266 prédios urbanos, 235 suburbanos e 740 rurais; com uma população de 4.106 (urbana), 1.064 (suburbana) e 1.064 (rural) compreendida a sede (Esperança) e os distritos (Areial e Montadas). O prefeito Sebastião Vital Duarte (1940-1942) havia sido nomeado pelo interventor, auxiliado por 13 funcionários efetivos.
A Comarca era de 1ª entrância, com um magistrado e dois suplentes. O primeiro juiz de direito foi Ademar Lafayete. A segurança pública competia a um delegado de polícia e subdelegados na vila. Haviam 80 casos de contravenção e 14 crimes, mas nenhum de homicídio.
Esperança destacava-se como município agrícola, com zona para criação de animais. Os seus terrenos produziam batata, mandioca, batatinha, milho, algodão e gergelim com a seguinte produção: 36 toneladas de batata doce; 30 toneladas de batatinha; 70 toneladas de mandioca; 30.000 sacos (60kg) de farinha de mandioca; 50.000 kg de fumo em corda; 80.000 kg de fumo em folha e 500.000 kg de algodão em caroço.
Os seus rebanhos eram: 2000 bovinos; 1.200 equinos; 2.300 asininos; 900 muares; 1.000 lanígeros; 1.020 caprinos e 25.000 aves. Haviam centenas de minifúndios, com poucas matas e algumas jaboticabeiras.
A fisiografia era divisa entre agreste e brejo, com elevações sensíveis. A temperatura oscilava entre 14º e 34ºC. Os principais rios: Araçagy, Cabeço e Mamanguape; das lagoas destaca-se a Lagoa Comprida (com 4000 metros na sua maior extensão);
A demografia contava com 542 nascidos em 1941, 71 casamentos naquele ano e 743 óbitos que na sua maioria eram sepultados no Cemitério “N. S. do Carmo”.
A instrução pública era constituída por um estabelecimento de ensino secundário e 20 escolas primárias que atuavam 25 professores. Às aulas primárias estavam matriculados 1.183, com freqüência média de 815. A verba da educação era de Cr$ 7.160,00 (sete mil, cento e sessenta cruzeiros).
Limites do município – de acordo com os Decreto-Leis nº 1.164 e 520, de 18/11/1938 e 31/12/1943, respectivamente: começando na Lagoa da Marcela, prossegue pelo caminho que vai até à lagoa do Açude, de onde continua até a frente de uma velha casa, situada na estrada que vem de Mari Preto; daí pela mesma estrada, vem ter à lagoa Salgada, de onde continua pela estrada carroçável que vai a Bananeiras; prossegue por um caminho que vai ter ao marco nº 03, localizado na fazenda Cabeço, segue pelo caminho 68, que passa nas propriedades Urubu, Maniçoba e Meia-Pataca até encontrar o rio Araçagy; sobe por este rio até a foz do seu afluente, riacho de Pedro Batista, deixando aquele, sobe por este riacho até alcançar o marco nº 05 (de Areia), colocado à margem da estrada de rodagem que vai de Areia a Esperança, na Olaria; daí segue em linha reta até alcançar a nascente do riacho do Boi, desce por esse riacho até sua embocadura, no Riachão, onde se extremam os municípios de Alagoa Nova  e Areia; na foz do riacho do Boi, no Riachão, sobe por ele, que passa a denominar-se riacho Amarelo, até a sua nascente e, em linha reta até o marco nº 02, situado à margem da lagoa da Marcela, ao lado do caminho carroçável de Aldeia Velha a Ariús.
As necessidades municipais, por aquele tempo, (já) eram de reservatórios de água, de estradas internas e estabelecimentos de crédito a agricultura e o aproveitamento das fibras.
O patrimônio municipal era estimado em Cr$ 423.937,00 (quatrocentos e vinte e três mil, novecentos e trinta e sete cruzeiros), com uma receita de 130 mil cruzeiros e arrecadação de Cr$ 168.562,80. A Coletoria Estadual arrecadou (1941) mais de 260 mil cruzeiros.
Repartições públicas: Prefeitura, Coletoria, Grupo Escolar, Mercado Público, Forum, Agência Postal (Correios), Inspetoria Agrícola, Biblioteca Pública e Cartório do Registro Civil. A cidade era composta por quatro avenidas e dez ruas, quatorze travessas e uma praça pelas quais transitavam seus oito automóveis, um ônibus, quatorze caminhões e quatorze carros de boi. Havia ainda um hotel, um cinema, uma associação (dos empregados do comércio), uma igreja-matriz e um templo evangélico.
Estas eram, em poucas linhas, a visão geral do nosso município nos idos de 1940, bem distanciado do que é hoje, uma das principais economias do Estado.

Rau Ferreira

Fontes:
-        FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. A União. Esperança/PB: 2016.

-        MEDEIROS, Coriolano de. Dicionário Corográfico do Estado da Paraíba. 2ª Edição. Departamento de Imprensa Nacional. Rio de Janeiro/RJ: 1950.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…