Pular para o conteúdo principal

De Leandro à Benedito: a poesia de repente

Essa poesia cantada, adotada desde 1729, nos Cariris-velhos, tem origem na ribeira do Sabugi, com influência da canção portuguesa, no hibridismo regionalista que formou o nosso dialeto parahybano. Para Egídio de Oliveira Lima (esperancense, patrono da Cadeira nº 22 da Academia de Letras e Artes do Nordeste), Leandro Gomes de Barros representa a essência deste folclore.
Ele nos lembra que em Esperança, um parente de Nicandro Nunes da Costa, o professor Luiz Gil de Figueiredo, recitava de cor um improviso que exaltava o cordelista:
“Leandro Gomes de Barros
Escritor paraibano,
No ofício de escrever,
Escreve com calma e plano
Tem fama de repentista
Escritor e romancista
Tem folheto mais de mil
É ainda no Brasil,
- o seu primeiro humorista”.

Nas feiras do interior, ele próprio lia os seus folhetos, improvisando versos, que os “matutos” gostavam tanto de ouvir. À sua freguesia, Leandro repetia:
“Leve para casa o folheto
E veja que a história é boa
Pois sendo escrita por mim
Não pode sair a-toa
Pague dois mil reis por ela,
Se você pretende aquela,
Compre a minha coleção
Sendo esta ocasião
De você ficar com ela”.

Para enfrentar Leandro na cantoria, só Hugolino do Sabugi e Nicandro da Cangalha, isto dizia Manoel Raimundo de Barros, cantador pernambucano. E chegando o Benedito, os outros deitam a viola, em respeito ao velho cantador, que de escravo liberto, chegou a maestria, ensinando versos aos iniciantes do repente.
João Benedito morava ali, na rua do Boi, foi cantador afamado, precursor do repente, temível nos brejos parahybanos. Certa feita, cantando com Antônio Correia Bastos, afirmou:
- Antônio eu nunca encontrei
Forte que não destruísse,
Nem peso que eu não erguesse,
Perigo que eu não investisse,
Nem cantador de seu jeito
Que uma hora me resistisse.

Átila Almeida, em seu Dicionário bio-bibliográfico de repentistas e poetas de bancada (1978), escrito em parceria com José Alves Sobrinho, é quem nos diz: Grandes repentistas e preparadores foram Joaquim Sem Fim e João Benedito, segundo a opinião insuspeita de Antonio Ferreira da Cruz, que também foi poeta popular excepcional”.
O próprio Zé Alves teria aprendido a cantar com João Benedito e Manoel Raimundo, após fugir de casa com 15 anos incompletos, levando a viola nas costas.
Para Coutinho Filho (Violas e repentes: 1972), Benedito era “fabuloso”. Não é por menos, que Câmara Cascudo cita o cantador esperancense, em sua obra “Vaqueiros e Cantadores”.
Do cantador esperancense, ainda repercute esta quadra:
“Há entre o homem e o tempo
Contradições bem fatais!
O homem não faz, mas diz!
O tempo não diz, mas faz!
O homem não traz nem leva!
Mas o tempo leva e traz”.

Bendito cantou com Romano, Nicandro e seu irmão Hugolino, Zé Patrício e Silvino Pirauá, Zé Duda, Caludino e Josué da Cruz.

Rau Ferreira
Fonte:
-        LIMA, Egídio de Oliveira. Os cem melhores folhetos de Leandro Gomes de Barros. Revista Ariús. Campina Grande/PB: 1952.
-        ALMEIDA, Átila Augusto F. De, SOBRINHO, José Alves. Dicionário bio-bibliográfico de repentistas e poetas de bancada. Volumes 1-2. Ed. Universitária: 1978, p.

-        FERREIRA, Rau. João Benedito: O cantador de Esperança. Edições Banabuyé. Esperança/PB: 2011. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…