Pular para o conteúdo principal

Notas de Estanislau Pimentel

Estanislau Pimentel

Estanislau Passos Pimentel costumava escrever para a revista carioca “O Malho”, onde encontramos algumas de suas notas. Replicamos aqui, as mais importantes.
Para alguém que só pensava no futuro, sem se ater ao presente escreve: “Por que, em vez de só netos, você não trata de fazer descendentes um futuro mais próximo. Olhe que o povoamento do solo saber-lhe-ia agradecer melhor e mais proveitosamente do que nós...”.
A sua maior nota romântica se pode ver nesse texto:
“A ti...!
O desprezo é a maior dor de um coração apaixonado.
- Quão doce é amar, uma mulher encantadora, quando não é – volúvel!
- Uma noite de melancolia, faz recordar os dias felizes de outr’ora”.

Para a mademoiselle J. Brandão, após recepcionar a sua carta confessa: “Vou escrever-lhe, respondendo melhor as perguntas que me faz, madame”.
Charadista, o seu nome consta do livro de inscrição para os campeonatos de 1918/1927 produzido por pelo “Malho”. Eis um pequeno exemplo:
“1 -1. No bar vi o animal cor de laranja. Estanislau Pimentel (Esperança – Parahyba do Norte)”.
“2-2. De viagem na embarcação fui, em 24 horas, no departamento grego. Estanislau Pimentel (Esperança – Parahyba do Norte).
Esta espécie de enigma era composta por letras disposta em uma palavra ou frase em ordem aleatória (conceito) e uma palavra-chave que indica o caminho que se pretende desvendar. Não era nada fácil.
Do “Índio do Norte” recebeu essa resposta em logogrifo:
“Ao confrade Estanislau Pimentel:
3-1. No paúl encontrei um ponto muito paludoso. Índio do Norte (Parahyba do Norte)”.
E de Brasiléa, no Acre, recebe esta outra charada:
“2-2. Que feroz! Ao agarrar a mulher pendurou-a na árvore. José da Rocha Barreto”.
Acreditamos que Estanislau tenha iniciado a vida como professor em Esperança. Na edição 929 da revista, escreve esclarecendo quais os exames que eram necessário para se prestar vestibular. Na época ainda era preciso sentar praça (servir o Exército) por pelo menos quatro meses.
Presumimos que este era assinante da revista. O autor esperancense também escrevia para o “Jornal das Moças” e para a “Vida Doméstica”, com recortes amorosos para: Rosa Amélia de Souza, Maria Carneiro, Rosa Rubra, Maria C. e ao “Coração de Prata” diz:
“Para ser feliz, bastaria achar-me sempre ao teu lado – Parahyba”.
A partir de 1922 foi servir à pátria no 22º Batalhão de Caçadores de João Pessoa/PB. Aassim escreve ao seu irmão Ulisses da Vila Militar: “Vivo noite e dia reflectindo na circunstância de nossa separação”.
Em dezembro daquele ano já era cabo. Em 1931 é 1º Sargento. Após uma carreira militar, galgou o posto de suboficial. Era Sargento Instrutor de Tiro de Guerra, com o codinome “Bemtevi”.
Em 1927 aquele senhor e sua esposa recebiam os parabéns pelo nascimento de uma criança.
Contamos com a ajuda dos nossos leitores para corrigir qualquer imperfeição deste trabalho ou mesmo acrescentar informações necessárias para compor a biografia deste esperancense.
 
Rau Ferreira

Fonte:

- Revistas “O Malho”, “Vida Doméstica” e “Jornal das Moças”. Edições dos anos 20, disponível na Biblioteca Nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…