Pular para o conteúdo principal

De quando a paróquia chorou

Monsenhor Manuel Palmeira da Rocha

O amigo Jônatas Rodrigues Pereira enviou-me uma reportagem assinada pelo saudoso jornalista Jacinto Barbosa sobre a eleição de Dom Palmeira para Bisco de Pesqueira/PE. A matéria ocupa duas páginas do Diário da Borborema. Neste artigo faço um breve relato da sua despedida desta paróquia:
Foi numa terça-feira, 25 de março! A notícia havia sido veiculada na Rádio Caturité por Dom Manuel Pereira em seu programa diário e, apesar da audiência desta estação, demorou até que toda a comunidade católica absorvesse o seu conteúdo: Padre Palmeira estava indo embora! O Papa João Paulo II lhe teria escolhido para ser Bispo em Pesqueira/PE.
Nesse dia o sino da igreja matriz tocou mais forte. Muitos acorreram à casa paroquial e encontraram o padre que há 29 anos aprenderam a amar entre cumprimentos e lágrimas. Eram pessoas de todas as classes sociais.
O Monsenhor Palmeira demonstrava um misto de alegria e tristeza. O povo não entendia. A ingenuidade dos fiéis era tanta que se comentava na cidade: “Mas, que Papa sem coração é esse que tem coragem de tirar Monsenhor de Esperança?”, “não sei o que será de mim sem Monsenhor nesta cidade”.
O vigário a muito custo procurava abrandar os corações com palavras de amor e fé: “Está havendo uma manifestação de alegria, porque foi uma promoção, e de tristeza também porque terei que deixar esta cidade onde convivi a maior parte da minha vida ao lado do meu povo”.
Pois bem. Todos sabem o quanto Manuel Palmeira amava esta terra, nas palavras de seu neto espiritual, Ônio Lyra, que guarda com carinho uma carta de suma importância para a história eclesiástica esperancense, era desejo seu ser enterrado em Esperança. Aqui na gruta N. S. de Lourdes está enterrado os restos mortais de seus pais. Luiz José da Rocha e Ana Palmeira da Rocha.
Foi aqui que ele celebrou dois principais marcos de sua vida sacerdotal: suas Bodas de Prata (1972) e o Jubileu de Sacerdócio (1976), registradas em placas apostas na nave principal da igreja.
À noite o Monsenhor Palmeira foi para a “Casa de Deus” que tantas alegrias lhe conferiram nesta cidade. Com a igreja repleta de gente e assessorado pelos diáconos José Lira e Eugênio celebraram missa de ação de graças pela sua eleição. O dia de sua posse, em Campina Grande, prevista para o próximo 27, estava prestes a acontecer.
E assim o município despedia-se daquele que trabalhou pela educação, pelos agricultores, pela saúde e bem-estar de seu povo. Muitas foram as obras do vigário nesta cidade, que merecem pois um capítulo a parte.
A comunidade assumira a responsabilidade de mandar imprimir uma “lembrança”, em forma de panfleto, com a imagem do padre já com as vestes de bispo.
O vigário escolhe como tema para seguir essa nova missão: “Luz et Vitas” (Luz em Vida), queria com isso dizer que: “Jesus Cristo é a luz do mundo, Jesus veio trazer a vida nova ao mundo paganizado e na escolha dos apóstolos, foi o seu plano que eles continuassem no mundo até o fim como portadores de luz e vida para o povo de Deus, Luz pelo anúncio do evangelho e vida como dispensados dos sagrados mistérios”.
O jornalista Jacinto Barbosa, comentou sobre a despedida de Padre Palmeira: “Na realidade, foram 29 anos de dedicação de bons conselhos, de dispensas, de tormentos, de descasos, de reconciliação, de solidariedade e de humildade que resume a sua vida nesta cidade”.
O então universitário – hoje jornalista – Carlos Roberto Cardoso, assim se manifestou: “Estou convicto de que sua promoção a Bispo, não fa-lo-á orgulhoso; tornarna-lo-á sim, mais humilde do que sempre o foi na sua divinia missão aqui na terra. Da videira ele é o galho mais verde, o mais viçoso e, tenho certeza, há de conservar-se assim. Estou contente e envaidecido de vê-lo promovido. É uma promoção justa e merecida”.
Já o advogado – e também memorialista – João Batista Bastos, encerra toda uma epopéia de homenagem em despedida comovente: “Esperança, hoje, é um grande rebanho que chora na sua despedida. A Igreja Católica promove Monsenhor Palmeira onde reconheceu sua qualidade de Sacerdote mais zeloso, honesto, simples e dedicado exclusivamente à pregação dos Evangelhos. A Igreja tem na pessoa do Monsenhor Palmeira um Santo Moderno”.
Nesse ponto também concordava o Padre Zé Coutinho em carta de 27/11/1972, textualmente: “Tudo que se fizer por você é muito pouco, porque você é extraordinariamente caridoso, falemos em termos mais claros, verdadeiro Santo, que praticou totalmente o Evangelho, passando a vida inteira fazendo o bem”.
Nesses 29 anos de sacerdócio dedicados à Esperança, Padre Palmeira teve que se afastar apenas uma vez do seu rebanho. Foi no período de junho de 1975 à julho de 1976 para fazer um curso em Roma. Tamanho era o seu amor pela cidade que evitou comunicar que iria viajar, partindo sem deixar vestígios.
No natal de ’75, quando muitos esperavam o seu retorno, enviou uma fita cassete com uma mensagem gravada o que causou forte emoção, sendo necessária a intervenção das autoridades para conter a multidão que se aglomerava na casa paroquial.
Pesqueira era o destino. A sua missão estava apenas começando. Na sua humildade, finalizou o padre: “Só tenho que agradecer a Esperança pelos anos de estágio que fiz onde me preparei para um novo mistério”.

Rau Ferreira


Fonte:
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá - Recortes da Historiografia do Município de Esperança. No prelo.
- BARBOSA, Jacinto. Revista “Esperança 82 Anos”. Editor. Esperança/PB: 2007.

- BORBOREMA, Diário da. Edição de 06 de abril. Campina Grande/PB: 1980.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…