Banaboé Cariá: Discurso de lançamento

By | 29.4.16 Deixe seu comentário


Exmo. Sr. José Adailton da Silva Moreno (Amazan), Presidente do Poder Legislativo, na pessoa de quem saúdo os vereadores aqui presentes.

Exmos. Srs. Anderson Monteiro Costa, prefeito constitucional do Município de Esperança, e Arnaldo Monteiro Costa, Deputado Estadual, Exma. Sra. Ida Maria Steinmuler, presidente do IHCG, e Dra. Juciene Ricarte Apolinário, vice-presidente; secretários municipais, diretores de escola, professores, convidados, demais autoridades e o público aqui presente. Boa noite!

É com grande alegria, e com o espírito de dever cumprido, que nos reunimos hoje para o lançamento do livro BANABOÉ CARIÁ – RECORTES DA HISTORIOGRAFIA DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA.

Quero primeiramente agradecer a Deus, que me dotou de inteligência, de uma curiosidade aguçada e uma inquietação enorme, sem as quais a escrita desta obra não seria possível, o Senhor tem me proporcionado vitórias, e estamos aqui para festejar essa grande conquistar, que é a de escrever sobre a história do nosso município.

E dizer o meu “muito obrigado” ao gestor público municipal, Dr. Anderson Monteiro Costa, por abraçar esta idéia, acreditar no projeto, e dar as condições necessárias para que pudéssemos concretizar este sonho que hoje se realiza. A prefeitura não apenas financiou, como também formou uma comissão de notáveis para revisar este trabalho, formada pelo então Secretário João Delfino Neto, e os servidores Evaldo Brasil e Carlos Alberto Almeida.

Agradecer, de uma maneira especial, a minha esposa Carmem Lúcia e aos meus filhos Hauane, Heloíse e Helder, que de certa forma, sentiram a minha ausência nos dias de pesquisa e escrita deste trabalho. E é por este motivo que lhes dediquei o livro, assim como ofertei a meu falecido pai, Beinha, e minha mãe Glória, que contribuíram para a minha formação moral.

Muitas pessoas tem me perguntado o significado do título, cuja explicação deixei para este momento. “Banaboé” (com E) na língua Cariri quer dizer “Tanque Grande”, o que nos remete ao Araçá, este reservatório de águas pluviais que existe no bairro Beleza dos Campos. Talvez por esse motivo, a Sesmaria de 1789, menciona existir o lugar “Tanque Grande no Sertão de Banaboie”.

Quanto ao vocábulo Cariá, este não é tão fácil. “Cari” refere-se ao homem branco, ao colonizador. Cariá nos dá sentido de lugar ou origem. Portanto, quero crer que “Banaboé Cariá” seria algo como “o tanque grande do homem branco”.

É certo que a história narra que os índios se estabeleceram naquele lugar, e que foram responsáveis pela desobstrução daquele lajedo, que possibilitou a captação das águas da chuva pelo Araçá, que serve até hoje a nossa população. Todavia, os documentos apontam uma concessão de terras ao desbravador Teodósio de Oliveira Ledo, fundador da Campina Grande, que por herança veio a pertencer a sua filha Amarinha Pereira de Araújo e seu genro João da Rocha Pinto, os quais estabeleceram na região da Bela Vista, uma fazenda de criação de gados, que denominaram de “Banaboé Cariá”.

Nas palavras do historiador Irineu Jóffily, que provém deste ramo familiar, e que por muitas vezes passou suas férias naquela fazenda, Banaboé foi sempre o nome deste lugar, e assim tem sido conhecida pelo menos desde 1757.

Mas o livro ainda tem o subtítulo de “Recortes da historiografia de Esperança”, por sugestão de Evaldo Brasil, que igualmente merece explicação. A história do nosso município é riquíssima, e maior do que podemos conceber. Seria uma ilusão dizer para vocês que toda ela se encontra reunida num único livro. Isto me parece impossível. E por essa razão preferi dar ênfase aos principais fatos, fazendo o recorte de alguns momentos da história local.



Assim, iniciamos o livro tratando da formação do nosso território, dos aspectos geográficos, e dos símbolos municipais; falamos da colonização, do vocábulo “Banabuyé”, da vocação comercial, e da tradicional feira, que foram por assim dizer, é a nossa origem.

Registrei o desenvolvimento urbano, as principais ruas, os bairros e distritos. A criação da paróquia, com as suas comunidades, pastorais e administradores.

Tratei dos poderes públicos municipais, legislativo e executivo, e também do judiciário local. A infraestrutura, os primeiros anos, a educação e a saúde foram igualmente objeto de nossos estudos.

A cultura ganhou um capítulo especial, subdividida que fora para cada uma das artes ou gêneros, a exemplo da música, da fotografia e do artesanato. O esporte, o carnaval e o São João também foram mencionados.

A história do trem que passaria por Esperança, mas que foi desviada com receio de que isolasse Campina Grande, ganhou relevo com a gravura do pesquisador Jônatas Rodrigues Pereira, a quem coube transformar o projeto desta estação em imagem 3-D.
Mas o livro é rico não apenas em conteúdo, como também em fotografias, muitas delas do acervo pessoal de Antônio Ailson Ramalho, filho do desportista José Ramalho, que gentilmente nos cedeu para esta publicação; também foram aproveitadas fotos antigas de Evaldo Brasil, Jailton Medeiros, Martinho Júnior e João Batista Bastos, ficando as mais recentes a cargo de Emerson Santos.

Enfim, Esperança, entrego o “Banaboé Cariá – Recortes da Historiografia do Município de Esperança”, e dou por cumprida esta missão pela qual me empenhei, na certeza de que este livro abrirá o caminho para outras publicações, de outros autores, que possam fazer o registro desta cidade, o nosso querido “Lyrio Verde da Borborema”.

Uma boa noite a todos e o meu muito obrigado pela sua presença.

Rau Ferreira




Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: