Pular para o conteúdo principal

O ciclo do algodão em Esperança

O ciclo do algodão teve uma grande importância em nosso Município. Aqui o apogeu fazia sentir-se em vários setores, especialmente no agrícola e comercial. Este produto chegou a competir com a própria batatinha, considerada nossa cultura principal.
O algodão herbáceo outrora fora denominado de “ouro branco”. Antigamente, “Os algodoeiros frondosos como grandes arbustos, davam boa safra” (Jornal Gazeta, 9/11/1888).
O mesmo acontecia em Esperança, cuja produção tinha grande potencial. Nesse tempo havia quatro vapores na cidade de descaroças algodão e prensas para enfardar o produto, de onde seguiam para abastecer os armazéns de Campina Grande.
Nessas paragens, foram muitos os que cultivaram a planta que serve entre muitas coisas para o tear, sobremaneira nas décadas de 30/40. Mas a atenção comercial ainda estava voltada para a criação de gado, chamada de a “mercadoria que anda”.
O Annuário da Parahyba (1930) registra os seguintes produtores de algodão, os quais possuíam até marca registrada: Francisco Bezerra da Silva (marca: Acary); Júlio Ribeiro da Silva (marca: Mary); Sebastião Donato (marca: Donato) e Theotônio Rocha (marca: Fé).
O algodão chegou a competir com os cereais e a própria batatinha, que foi por assim dizer a nossa principal cultura. Nesse tempo havia quatro vapores de descaroçar algodão na cidade e prensas para enfardar o produto, de onde seguiam para abastecer os armazéns de Campina Grande. Na época, “era constante o tráfego, com vários motores com significante número de burros pelas ruas e estradas de Esperança” (Mobral: 1985).
Por aqui há uma lenda urbana que, nos anos 30, um padre estava a celebrar uma missa, mas sentia-se incomodado com o estrondo barulho das descaroçadeiras de algodão que funcionava na rua principal. Pediu a um dos acólitos para solicitar do comerciante que desligasse a máquina durante a celebração, recebendo esse uma grossa resposta. O religioso não discutiu, apenas fez o “sinal” da cruz em direção ao edifício, e por encanto o maquinário deixou de operar. Coincidência ou não, a descaroçadeira teria quebrado passando alguns dias sem funcionar. Naquele tempo os religiosos eram homens de muita fé e, se esta pode remover montanhas, o que não se dirá de uma pequena máquina?
O algodão era acondicionado em unidades de 70 quilos cada, sendo que cada caminhão carregava 24 fardos.
O Livro do Município registra que: “Era constante o tráfego, com vários motores com significante número de burros pelas ruas e estradas de Esperança”, até serem transportados para Campina Grande para serem embarcados no trem para Pernambuco com destino às fábricas.
O trem para o Recife parte, alternadamente, num dia às 6:40 AM, e noutro às nove horas, afim de combinar as correspondências com os combóios de Natal e João Pessoa.
Por ser um produto perecível e altamente inflamável, havia certo cuidado no seu armazenamento. Evitava-se que fumantes se aproximassem e até um pouco d´água era jogado sobre os fardos em dias de calor. Todas essas precauções não foram suficientes para evitar um grande incêndio que ocorreu em 1932, na estação de Campina. Muitos produtores amargaram o prejuízo, enquanto outros tinha sua carga assegurada em uma companhia de Londres.
Com a crise do algodão e outros fatores, o cultivo desta planta perdeu terreno para outras culturas, e hoje praticamente não há investimentos desta monocultura em nosso Município.

Rau Ferreira

Referências:
- ALMEIDA, José Américo. A Paraíba e seus problemas. Ed. União. Secretária do Estado da Paraíba. João Pessoa/PB: 1980.
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Epgraf. Esperança/PB: 2010.
- JOFFILY, Geraldo Irineu. Um cronista do sertão no século passado. Comissão Cultural do Município, Prefeitura Municipal de Campina Grande: 1965, p. 15;
- JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Paraíba. Edição fac-similar de 1892. Ed. Thesaurus: 1977.
- MEDEIROS, Coriolando de. Dictionário corográfico do Estado da Paraíba. Ministério da Educação e Saúde Pública. 2ª Ed. Departamento de Imprensa Nacional: 1950, p. 91/92.
- O COMMERCIO, Jornal. N. 3052. Edição de 09 de outubro. Parahyba do Norte: 1907.
- PARAHYBA, Annuário da. Anuário Estatístico. Governo da Parahyba. João Pessoa/PB: 1930..
- RIBEIRO, Hortênsio de Souza. A imprensa em Campina Grande. R.IHGP, Vol. 11. João Pessoa/PB: 1948.
- SOCIEDADE DE GEOGRAPHIA, Revista da. Tomo XXXV, 1º Semestre. Rio de Janeiro/RJ: 1932

- Wikipédia: Algodão. Disponível em: http://pt.wikipedia.org, acesso 17/02/2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…