Ala-urça e simpáticos

By | 9.2.16 Deixe seu comentário
Ala-urça e simpáticos

Este é um dos registros mais antigos que se tem do carnaval esperancense. Trata-se do blog "Ala-ursa e seus simpáticos". Não se tem ao certo a data desta imagem, mas supõe-se que seja da década de 50.
Esperança ainda tinha seus casarões, dá prá ver que os foliões estão de frente para um comércio de duas portas, no que se imagina ser o centro da cidade.
O bloco tinha cerca de 30 componentes, com no mínimo duas Ala-ursas. Diferente do que se vê hoje, a batucada era acompanhado por um tambor, um banjo e um saxofone. Os homens vestiam à caráter: camisa pólo e calça brancas. A máscara da Ala-ursa não era bem feita, mas a sua indumentária estava completa com uma caneca, com que se pediam alguns trocados no melhor estilo cigano, que sempre foi a sua origem.
Mas a alegria não estaria completa se não fossem os simpatizantes. Estes que faziam o trajeto eram homens e meninos. Os “Papa-angús de chicote” faziam a segurança do bloco, evitando assim que alguém perturbasse os foliões e destruísse a brincadeira. Naquele tempo as máscaras eram produzidas por Luiz Doido que usava barro ligado: nariz adunco, queixo recurvado e grandes orelhas.
Não se observa nas mãos dos carnavalescos o lança-perfume, reservado para as pessoas da elite. O povão mesmo brincava com farinha de trigo e água para produzir o mela-mela.
O estandarte da Ala-ursa era o mais simples possível: um letreiro de papel-cartão seguro por um pau que lhe servia de mastro, com os dizeres: Ala-urça e seus simpáticos. Fugindo do tema está um índio da tribo Apache, que chegou de última hora para a foto.
Na versão atual, as pessoas encenam esta aparição vestindo a “pele” de retalhos e com máscaras em papel machê ou industriais, fazendo a sua arrecadação, quase sempre seguida por uma multidão de foliões ao som de batucada.


Rau Ferreira
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: