Pular para o conteúdo principal

Getúlio...

Getúlio Vargas (1930)
Silvino Olavo sentia-se atraído pela política. Antes, já praticava o seu belo discurso louvando a gênese do amigo João Suassuna, que se elegeu Presidente da Parahyba (1924/1928); depois passou a apoiar o candidato Epitacista: João Pessoa, que igualmente logrou êxito nas urnas eleitorais de seu Estado (1928/1930). E quando este resolveu ovacionar o seu “Nego!”, o poeta esperancense foi o primeiro a dizer-lhe as razões na imprensa carioca, e de forma resoluta passou a defendê-lo nas praças de Santa Rita e Barreiras.
Getúlio deliberou contrariar a política do “café com leite”, candidatando-se ao cargo máximo da nação. Contra si o governo de Washington Luiz e dois dos maiores Estados brasileiros: São Paulo e Minas Gerais. A seu favor a pequenina Parahyba, terra de Epitácio Pessoa cujo sobrinho deveria lhe suceder na política.
Epitácio governara o Brasil de 1919 à 1922. A sua carreira inclui dois ministérios (da Justiça e do STF), Procurador da República, Senador por três legislaturas, chefia da delegação brasileira da Conferência de Versales e Juiz Corte Internacional de Haia. Este mesmo indicara João Pessoa para o cargo de Ministro do Superior Tribunal Militar.
Silvino Olavo era poeta consagrado, bastante conhecido no Rio, e muito querido pela imprensa e a intelectualidade da época. Lá cantara o seu “Cysne”, tendo freqüentado ainda as noites cariocas. O galante poeta era sempre visto em companhia das damas da sociedade. Havendo retornado à Parahyba após a conclusão de seu bacharelado, ajudou a emancipar o seu torrão natal contribuindo com o seu efusivo discurso “Esperança – Lyrio Verde da Borborema”.
Concursado fiscal do consumo, promotor da capital parahybana, e membro do conselho penitenciário estadual foi convidado para chefiar o gabinete do recém eleito João Pessoa, cujos destinos entrelaçados iam além de seu mister.
Mas algo parecia estar errado. Por aqui os enlaces de dois jovens – advogado e professora – as questões de Princesa, dos coronéis e dos Pereiras ganhavam proporções, sendo combatidas com rigor pelo presidente estadual. Essa efusão de acontecimentos, ligados a morte de alguns chegados em meio a uma produção literária intensa (e outras conjecturas) levaram Silvino a um breve afastamento, “atacado de um ligeiro incômodo”, em 14 de julho de 1929, indo abrigar-se no Pilar na fazenda de sua noiva Carmélia.
Deflagrada a “guerra” João e Getúlio precisavam se encontrar. O local escolhido foi a capital federal – Rio de Janeiro. Assim embarcava no dia 26 de dezembro de 1929 no “Flândia”, em companhia de alguns familiares, seu chefe de gabinete Silvino Olavo e do comandante militar Elysio Sobreira onde iria fazer a leitura de sua plataforma política em vistas da sucessão presidencial.
Cinco dias após desembarcara no Rio. O comércio fechou as portas, muitas pessoas foram ao cais do porto para ver o político parahybano. Lançada a escada, de repente aparece o poeta com a mala na cabeça causando certa estranheza. Eram os primeiros sinais de sua “esquizofrenia”.
Em matéria para os “Diários Associados”, o companheiro Raul de Góis chegou a comentar: "Foi, portanto, com verdadeira estupefação e doloroso pesar que os seus íntimos e a sociedade paraibana tomaram conhecimento de que aquele cérebro privilegiado dera sinais de profundo desequilíbrio num dos momentos culminantes da campanha da Aliança Liberal, na viagem de navio em que acompanhava o presidente paraibano quando este ia encontrar, no Rio de Janeiro, pela primeira vez, o seu companheiro de chapa, o presidente gaúcho Getúlio Vargas" (in: "Mestre de uma geração").
Getúlio admirava o formalismo militar. Retraído, evitava os problemas. “Deixa como está para ver como é que fica”, dizia. Escondia-se por detrás de um sorriso enigmático. Taciturno e bonachão ao passo que popularesco como uma celebridade, foram as marcas que lhe fizeram conhecido em nosso país. Aquela visita rendeu bem mais que uma aliança política, foi o início da grande virada da Parahyba. O resto da história todos conhecem...
Silvino sempre ao lado de João Pessoa teve oportunidade de lhe observar, captando todos esses traços. O seu biografado dominava a arte da fuga. Quem sabe não foi o suicídio a sua última escapada?
Pois bem. Anos mais tarde na casa de Silvino estavam o Dr. Artur (juiz campinense), em companhia do magistrado local, debatendo com acerca da vida e dos estudos do poeta, quando num repente, tornando-se enfadonha aquela conversa, o vate levantou-se e disse para os visitantes: “um momento, vou falar com Getúlio”.
O fato registrado por João de Deus Maurício (A vida dramática de Silvino Olavo), traduz essa fuga bem ao estilo getulista. Quem sabe a doença que lhe abatera anos antes também não foi uma fuga mental?


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…