Pular para o conteúdo principal

Conservatório musical

Símbolo de civismo e auto-afirmação do poder constituído, a banda de música municipal funcionava ainda como conservatório. As cidades interioranas, na sua maioria, tinham na “bandinha” a escola formadora de músicos locais.
As bandas tocavam nos eventos sociais, políticos e religiosos, como ainda hoje acontece. O mestre quase sempre era um regente vindo de outra cidade, convocado para fundar na Vila uma filarmônica qualquer.
Esperança mantém a tradição desde 1889, com o professor Juviniano Sobreira. Anos mais tarde, coube ao maestro Cidalino Pimenta (1910) conduzir os trabalhos; depois veio Pedro Lúcio (1927) e, mais recente, a José Alves Filho (1985).
Assim, era comum nas cidadezinhas a pracinha e seu coreto, onde a banda fazia a retreta social.
Os seus componentes aprendiam partitura, compasso, batida e melodia. Não obstante, a sua composição seguia padrões militares, quem sabe seja ainda um resquício da primeira que se formou na Parahyba (1801), pertencente ao Corpo de Infantaria.
Os instrumentos eram o tambor-mestre, pífanos, tambores, clarinete e fagote. Como tempo, foram acrescentados outros elementos, a exemplo do sax. O fardamento era calça e camisa de caxemira com botões dourados e ombreias.
Dos músicos de outrora merecem menção honrosa: Sebastião Florentino (Basto de Tino), João Veríssimo, Zé Luiz, Zé Boneca e Pedro Lúcio.
Por muitos anos a banda das cidades foi referência popular em toda a Parahyba. Quem nunca se arrepiou ao toque de uma trombeta? Ao ouvir o nosso belo hino nacional, e não sentiu vontade de marchar? Talvez as novas gerações desconheçam esse sentimento pátrio e prefiram fanfarras entoando o cancioneiro popular. Cada qual com seu cada qual e respeitadas as diferenças, as bandas de música sempre serão o conservatório musical cidalino.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…