Pular para o conteúdo principal

Esperança 90 Anos!

Esperança tem origem na Fazenda Banabuyé, surgida em 1860. Devemos ainda mencionar, como elementos plasmadores do nosso Município, a capela erigida em homenagem à Virgem do Bom Conselho, concluída dois anos depois, e a feira que surgiu no seu entorno.
A pequena povoação se desenvolveu com a chegada de alguns comerciantes, advindos de Alagoa Nova. E foi ganhando impulso, ao ponto de ser instalada, em 1885, uma dos Correios e Telégrafos.
A paróquia foi criada em 20 de maio de 1908, por Dom Adauto, que nomeou o Padre Francisco Gonçalves de Almeida, para administrar-lhes os trabalhos.
Da crescente urbanização, veio a necessidade de sua elevação a categoria de município. Com efeito, as rendas da vila de Esperança eram maiores do que a de Alagoa Nova, a sua feira bem mais concorrida e o comércio bem organizado, fazendo com que essas paragens se transformassem em verdadeiro entreposto de mercadorias. Todavia, Esperança permanecia esquecida pelos administradores alagoanovenses, que deixavam de realizar benefícios em prol dos esperancenses.
Nessa época, os homens mais importantes da vila – Manoel Rodrigues de Oliveira, Theotônio Tertuliano da Costa e Elísio Sobreira – formaram uma comissão com o objetivo de pleitear junto aos poderes constituídos a nossa independência política, tendo como porta-voz o poeta Silvino Olavo e o bacharel Severino Diniz.
Assim convidaram o governador João Suassuna, que se deslocou a esta comuna a pretexto de inaugurar o sistema de luz a vapor.
Recebido com um banquete, o governante foi granjeado, demonstrando-se sensível à emancipação municipal, após o discurso do poeta, “Esperança – Lyrio Verde da Borborema”, cujas palavras ainda ecoam em nosso município: “(...) Esperança, árvore nova, tem a nobreza de querer ser também árvore boa, para prodigalizar, com a esplendidez nutridora do fruto, a fecundidade da semente e a espiritualidade do perfume”, reforçado pelo pronunciamento do renomado orador Severino Diniz: “Esperança – Sr. Presidente, ri e não chora, inda que rindo feche no silêncio de sua resignação, numa vida de sofrimentos e de martírio. Esperança caia, Sr. Presidente, porque em tempos e mais tempos de escravidão seu povo humilde e estóico aprendeu a obedecer sem discutir, a sofrer sem chamar e a chorar sem mostrar o próprio pranto”.
A partir desta motivação a idéia então foi ganhando adeptos, entre eles o Deputado Antônio Guedes que apresentou, em novembro de 1925, o projeto de lei nº. 13, propondo a criação do Município de Esperança.
Seguiu-se uma luta intelectual e pacífica em prol desta causa, aderindo Antonio Bôto, Genésio Gambarra e Antonio Lucena. Em contrapartida, havia um ferrenho opositor, o também deputado Aristides Ferreira. O projeto só viria a ser aprovado após terceira votação na Assembléia do Estado, no último dia daquele mês.
Finalmente era publicada no Jornal A UNIÃO, em 1º. de Dezembro de 1925, a Lei nº 624, que criava e instituía o Município e Cidade Esperança.


Rau Ferreira

Telegramas da época:
“Tenho a honra de comunicar Vossência instalação município toda solenenidade após compromisso assumi exercicio cargo prefeito. Povo aclama nome vossencia pelo muito interesse causa Esperança. Protestando a vossencia toda a minha gratidão honrosa nomeação asseguro incondicional apóio ao brilhante fecundo governo vossencia. Cordiais saudações. Manuel Rodrigues” (Jornal “A União”, 1925).

“Ao ilustre líder da maioria desta ilustre Corporação. Esperança livre vem trazer uma palavra de agradecimento pela apresentação do projeto sua independência. Os habitantes desta localidade reconhecidos nobres senhores deputados signatários e interessados passagem aludido projeto rogam a v. ex. Fineza apresentar aos mesmos a gratidão de Esperança autônoma e vitoriosa. Saudações cordiais.” (Jornal “A União”, 1925).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…