Pular para o conteúdo principal

O velho "Samu"

Samuel Vital Duarte (1904/1979) nasceu no Sítio Canta Galo de Lagoa de Roça, que à época pertencia à cidade de Alagoa Nova. Entretanto, desde cedo fixou residência em Esperança, onde iniciou seus estudos acadêmicos.
O filho de agricultores ingressou no Seminário Arquidiocesano da Parahyba aos doze anos. Naquela época, este era o caminho que os menos favorecidos dispunham para ter acesso a um ensino de qualidade, abrindo assim as portas para carreiras futuras.
Antes de entrar para a Faculdade de Direito no Recife, diplomou-se em Humanidades pelo Lyceu Parahyubano, trabalhou como revisor d’A União, e prestou concurso para os Correios onde atuou como auxiliar.
Concluído o bacharelado (1931), retorna a Esperança, onde passa a advogar em causas pouco rendosas, enfrentando o licenciado Severino Irineu Diniz.
Impregnado pelas ideias liberais, engrossa as fileiras da política. A sua base eleitoral era basicamente Esperança e Alagoa Nova que constituía a sua origem e reduto eleitoral.
Elegeu-se deputado em 1934, pelo Partido Progressista, mas seu mandato foi interrompido três anos depois, com o advento do Estado Novo.
Retornaria à Câmara Federal em 1945, após ser eleito pelo Partido Social Democrático (PSD), assumindo a Presidência daquela Casa em 1947. Foi reeleito em 1950, mas renunciou quatro anos após ser nomeado Avaliador dos Feitos da Fazenda.
Esperança sempre lhe deu expressiva votação. As suas alianças neste Município o favoreciam, embora encontrasse forte resistência do Pároco João Honório de Melo, este ligado à UDN.
O padre de Esperança resolveu apoiar Milton Paiva, candidato do PRP, que alcançou expressiva votação, sem ser eleito. O vigário era ultranacionalista, e conseguiu derrotar Duarte em 1958. Contrariadas, as lideranças locais recorreram ao Bispo Diocesano, Após aquele episódio, Honório era removido para Monteiro/PB.
Cidade afetiva do velho “Samu”, Esperança lhe prestou importante homenagem, através do Tribunal de Justiça da Paraíba, quando denominou o Forum desta Comarca com o seu nome.
O Dr. Samuel Duarte presidiu a Ordem dos Advogados do Brasil (1967/1969), participando da criação do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana.

Rau Ferreira

Fonte:
- FERREIRA, Rau. Ilustres de Esperança: Biografia de cidalinos esperancenses. Edições Banabuyé. Esperança/PB: 2010.
- Mello, José Octávio de Arruda. Samuel Duarte. Série Perfis Parlamentares. Brasília: Câmara dos Deputados. Edições Câmara: 2014.

- Mello, José Octávio de Arruda. Sociedade e poder político no nordeste: o caso da Paraíba (1945-1964). Editora Universitária. João Pessoa/PB: 2001.

Comentários

  1. Rau, uma ótima publicação, para que, a juventude esperancense tome conhecimentos dos vultos importantes do nosso municipio e da nossa região. Apenas uma pequena correção: Em 1958, o padre de Esperança já era Manoel Palmeira da Rocha, tendo assumido a paróquia de Esperança no ano de 1953.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…