Pular para o conteúdo principal

O Ofício de Sapateiro em Esperança

O sapateiro é um profissional que conserta, fabrica e faz diversos trabalhos na área de calçados. Na sua grande maioria a matéria-prima é o couro que é utilizado para confecção ou reparo do calçado. Esta é uma das mais antigas profissões e em nosso município não poderia ser diferente. No passado esperancenses ilustres como Francisco Cláudio de Lima (Chico de Pitiu) e Antonio Roque dos Santos (Michelo) exerceram este ofício.
Os sapateiros eram muito bem organizados, tinham seu time de futebol desde 1942 e chegaram a fundar um clube social. Fundado em 1966 por comerciantes, na sua maioria sapateiros, o Centro Artístico Operário Beneficente de Esperança – CAOBE, proporcionou lazer e descontração a toda sociedade esperancense.
As sapatarias mais antigas eram as de Cícero Galdino, Joaquim Galdino e Benedito Salviano de Maria. Alguns funcionavam no centro da cidade, e outras em lugares mais afastados. Mas todas elas possuíam em suas oficinas os mesmos utensílios: Sovela, espécie de agulha; tirapé, correia de couro usada para segurar a peça; trincheta, um tipo de faca; virola, a primeira peça do salto; gogo, pedra lisa para bater a sola; puía, pequeno prego ou tacha, apenas para citar.
Em Esperança existiam até lojas especializadas em fornecer aviamentos para sapateiros, a exemplo de “A Vencedora” que funcionou na rua João Pessoa e a loja de Chico Avelino na rua do Sertão.
Alguns fabricavam sapatos com solados de pneu de caminhão, que demorava muito tempo para se acabar. Estes calçados eram conhecidos por “Trazeiros”. Comenta-se que os sapatos fabricados em Esperança eram tão bons que demoravam a acabar, motivo pelo qual eram muito procurados. Hoje na era dos bens de consumo descartáveis, quem poderia imaginar um sapato durando dois, três ou quatro anos.
Com o surgimento do calçado fabricado e do couro sintético, houve um declínio desta indústria artesanal e muitos deles se viram obrigados a comercializar os calçados nas feiras livres. Para se ter uma ideia, um solado sintético custa 35 reais, enquanto que o de couro não sai por menos de 60.
É bom lembrar que havia os sapateiros, os "apalazadores" que cortavam, chanfravam e colavam, os "soladores" que recebiam os solados armando em formas de madeiras, além dos ajudantes.
Michelo começou na rua de Areia e depois mudou-se para o centro da cidade. O trabalho era bastante artesanal e segundo comentam de ótima qualidade, tanto que era difícil acabar um calçado fabricado em Esperança. A sua produção era exportada para Cacimba de Dentro, Araruna e Alagoa Grande. Segundo o depoimento de Antonio Viturino (Moleque), naquele tempo este era o único serviço existia; mas tinha uma vantagem, na segunda ninguém trabalhava era o dia de São Sapateiro. Nesse dia, os sapateiros faziam a festa nos bares e bodegas, esquecendo assim da dura labuta. A irreverência da data marcou época e faz parte da nossa tradição. Retornavam ao trabalho na terça feira, e se dedicavam ao fabrico do calçado até no sábado. Assim fabricavam sapatos masculinos e femininos, sandálias, chinelos e alpercatas. Ganhava-se por produção, e por isso muitas vezes a fabricação entrava por noite adentro.
Atuaram nessa profissão: Chico Pedão, João Augusto, Manoel Gonçalo, Lochico, João Minervio, Mafia, Humberto de Michelo, Babiu, Brazo, Futrica, Zé Esquimal, Menininho de Dú, Zé Pneu, Lita, Zeca de Biliu,  Antônio de Peconha, Chiquinho Gonçalo, Aprígio e Bode Azul.
Os únicos remanescentes deste tempo ainda em atividade, salvo me engano, são Moleque, seu primo José Viturino, conhecido por “Lápis” e Ua.
Por curiosidade, gostaria de dizer que Ananias era sapateiro, e foi o responsável pela conversão de Saulo de Tarso, grande perseguidor dos Judeus, que abraçando o Cristianismo, ficou conhecido por Paulo, sendo um dos responsáveis pela divulgação da nova doutrina no mundo. Hitler e Getúlio Vargas usavam sapatos de plataforma.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…