O inseto que leva o veneno das pestes ao cálice das rosas puras

By | 23.8.15 Deixe seu comentário
Minhas amigas! Há uns tantos
Que vêem um sentido mau nos versos lindos
Que eu vos desfolho como os Gregos desfolham acantos
Sobre a cabeça das suas virgens.
Esses que dizem que os meus versos empana
Voss’alma de crystal, Virgem Parahybana;
- Virgens que eu corôo de rosas e de versos!
Esses que vêem, em chamas sempre acesas,
No vosso altar de Vesta o meu culto pagão,
Certo já vos levaram ao ouvido
Que há nos meus versos outro sentido
Que não seja o de tapizar-vos o chão
Que pisardes, de rosas, como se fôreis princesas...
Ora! Mas esses são criaturas
Tão abjetas como aqueles insetos
Que levam o veneno das pestes
Ao cálice das rosas puras...

João da Retreta – s. o.


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: