Sol: A morte na infância

By | 22.2.15 Deixe seu comentário
Silvino Olavo fora o primogênito de vinte irmãos, dos quais muitos deles tiveram morte prematura. Em Sombra Iluminada (1927) o poeta expressa o sentimento de melancolia que marcou a sua infância e escreve o soneto dedicado à memória de seus fraternos.
Escreve que a sua infância assistiu o nascer de vinte irmãos – vinte punhais sem jóias de alfazema cravados n’alma dos meus pais cristãos! – muitos vieram à luz ainda na fazenda Lagoa do Açúde, propriedade do velho Coronel Candido, amparados por alguma parteira e acalentados pelas mãos de dona Josefa.
Na época eram muitas as doenças que acometiam os recem-nascidos e não se conhecia tratamento para certas patologias, atribuindo-se o falecimento as febres em geral. A religiosidade de então confortava os pais pois tudo era desígnio dos céus.
Assim SOL escreve à morte – álgida luz deste poema e dona de todos os meus sonhos vãos – que levou seus treze pequeninos baixando a sua algema e ungindo as mãos do menino. Quem sabe imaginando como seria se estes mesmos houvessem sobrevivido e antevendo na perspectiva da medicina moderna uma outra solução.
Mas tudo isto é em vão apenas o ressentir destas memórias lhe preenchem o coração por isso mesmo cerrava as pálpebras e recompunha o seu tesouro.
Vejamos o soturno poema DÓ:

À memória de meus treze irmãos


Minha infância, embriagada de alfazema,
Assistiu ao nascer de vinte irmãos –
Vinte e um punhais sem jóias de alfagema
Cravados n’alma dos meus pais cristãos!

A morte, álgida luz deste poema,
- dona de todos os meus sonhos vãos,
treze vezes baixou a sua algema,
treze vezes me ungiu com as suas mãos!

A voz de sua cítara de agouro
Às vezes cerro as pálpebras doridas
Recompondo o meu íntimo tesouro...

E nos meus olhos ficam refletidas,
A reluzirem como gotas de ouro,
Estas melancolias coloridas...

Carlos Dias Fernandes, escrevendo sobre o colega de redação em 1927, trata desses dias com igual importância. “Foi ele, assim, o primogênito dessa luzida cauré de sertanejos, de que ainda restam oito, atestando a salubridade dos pais e da pequena vila serrana, onde parece que eram perdidas as dríades e as musas, nostálgicas do desfeito Olímpo”.

Rau Ferreira

Fonte:
- OLAVO, Silvino. Sombra iluminada. Rio de Janeiro: 1927. 120 páginas não numeradas. Ex-libris do autor;
- FERNANDES, Carlos Dias. Poetas Novos e Velhos, Sombra Iluminada. A União: 1927;
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Edições Banabuyé. Epgraf: 2010.


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: