Sol: Flora macerada

By | 19.2.15 Deixe seu comentário
O livro “Flora Macerada” – poemas em prosa – anuncia-se na edição de Sombra Iluminada (1927).
Com essa nova estética SOL ensaia uma escrita moderna, arrojada e diferente de tudo que vinha sendo feito. Não obstante, alguns contemporâneos do poeta o consideram modernista, e nessa mesma concepção escreve para a Revista Klasxon a sua antropofagia.
Pois bem. Em um dos capítulos que podemos ler, publicado na Revista FON-FON, evoca um poema misterioso, de sombras e catedrais; e visões tranqüilas que “se fundem na tela fina dos luares...”.
Em seu discurso – sem preocupações de sintaxe –, manifesta uma linguagem denotativa-conotativa, para falar da amada, aquela cuja voz assemelha-se a “um órgão, a morrer na distancia”, em cujos olhos “velados de luzes pensativas e pupillas sedosas, brilhavam duas pérolas pálidas”.
São os extremos do amante, que descreve a sua musa como uma deusa de Antenas: deslumbrante, porém rígida; posta em um pedestal, indiferente e intocável, dando-lhe vida no mundo da imaginação poética.

Rau Ferreira


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: