Pular para o conteúdo principal

O Clube dos Aventureiros, por Júlio César

Por Júlio César (*)

No final de 1986 e praticamente por todo o ano de 1987 existiu em Esperança o Clube dos Aventureiros. Na verdade, não foi nada oficializado em cartório ou qualquer coisa que requeresse legalização formal. O clube foi uma iniciativa natural de um circulo de amigos que decidiram criar um espaço próprio para fazerem algo diferenciado, criar um espaço deles.
O que motivou a criação deste clube foi justamente o hábito de colecionar coisas e expandir o hobby para um local mais amplo já que algumas coleções já estavam ocupando mais espaço do que devia nas casas e a mães já começavam a pegar no pé. A proposta surgiu na casa do amigo Charles Nascimento e se consolidou na minha casa quando se reuniram na sala os colegas Charles Nascimento e seus irmãos Neném e Vanessa. Eu e minha irmã, Jair, Fábio, Francisco, Djair, Dorivan, Jocélio, France, Mary, Luciano e Alexandre. Estes últimos da família de Luiz Martins.
Todos éramos portadores de algum tipo de coleção, mas, o que todos tinham em comum era o hobby de colecionar Histórias em Quadrinhos e este foi o gancho para criarmos o clubinho da rua que passou a funcionar numa espécie de garagem ou deposito antigo na casa da avó de Charles.
A avó de Charles nos deu um grande apoio, pintou a parte interna do local, doou alguns livros de história e uma mesa com 3 cadeiras. Já o pai de Charles nos deu uma velha estante do seu antigo mercadinho que serviu para dispor nossa gibilioteca. Criamos um emblema, regras para uso e o principal. Juntamos todos os nossos Gibis é uma grande coleção que chegava a quase 400 Hq’s que variava da turma da Monica até a série Secret Wars da Marvel.
Qualquer pessoa podia ler os gibis, bastava chegar assinar um livrinho e ler, se fosse levar para casa, tinha que deixar o endereço e pagar uma taxa de Cr$ 100,00 (Cem cruzeiros). E os gibis saiam e voltavam sem problemas. Não tardou muito para haver divergência entre meninos e meninas, o que rendeu a saída de minha irmã, Vanessa e France. Mas, apesar desta divergência, as meninas mantiveram suas coleções na gibilioteca. Outra coisa curiosa é que produzíamos as nossas próprias histórias em quadrinhos e comercializávamos.
Da turma, eu e Charles desenhávamos as histórias enquanto Neném e Alexandre criavam os roteiros. Já Djair ou Dorivan vendia aos seus colegas. O primeiro gibi artesanal que vendi cobrei CR$ 200,00. Eu ainda guardo com muito carinho a única revista produzida que não consegui vender. 
As reuniões eram sempre as quartas e no domingo todos se reuniam para jogar futebol, futebol de botão ou ir pescar. Entre outras atividades nos integrávamos com as meninas para as disputas de “baleada” e “Barra Bandeira” considerado por nós modalidades esportivas. Na rua era uma gritaria só, e isto nos custava algumas reclamações ou bolas furadas por seu Luiz Besouro.
Até hoje me pergunto por que batizamos esse clube de Aventureiros, talvez naquele tempo viver de forma tão sadia e despreocupado com os problemas do mundo fosse realmente uma grande aventura. Saudades!

Por Júlio César (*)
(*) Cartunista e pesquisador, atualmente desenvolve um projeto que finalizará em 2014 com a publicação de um livro sobre o futebol paraibano.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…