Pular para o conteúdo principal

Literatura de Cordel

O PROCESSO DE JOÃO GRANDE
POR CAUSA DE UMA MULHER DAMA

(S) Meu Senhor Delegado,
este homi que ora se encontra
neste xadrez trancafiado
é tão somente, Doutor,
vítima de um mal desgraçado.

É que a dita cuja “destilada”
de sabor ardente e quente
carregou-lhe de desejos a mente
levando-o a “casa profanada”.

E em lá chegando, entregou-se
aos braços sutis de mulher
da Dona destes trapos sujos
cujo sangue repugna a fé

Ah! Dotô Delegado,
se honradas fossem,
as testemunhas desses fatos
não seria esse pobre processado.

Ao ver tão ingrata sina
por causa de uma messalina
não pensei duas vezes
e vim à Delegacia
implorar desde às treze
para soltar o infeliz
neste final de dia.

Pois como poderei calar
diante de tal infâmia
ao ver réu indivíduo
que a sociedade reclama:
homem de bem e direito
em seu lar constituído.
Fluir-lhe mágoas no peito
findará da Justiça despido.

(D)- De nada pode aproveitar
seu lindo palavreado
como posso fugir ao DIREITO
rasgar o aqui relatado
insculpido nestes papéis
por todo canto noticiado.

Não posso desta causa decidir o mérito
e os ritos tomar de assalto.
ao Senhor Julgador remeto este inquérito
e que a verdade aflore destes autos.

(D) “R. Hoje
Ao Douto Promotor para os devidos fins
Após retornem estes
Para que possa analisar enfim.”

(P) - Douto Julgador deste Único Ofício.
Narra a peça informativa
a nós hoje entregue
que da sanha delitiva
valeu-se este réu do artifício
da brejeira, alcoólica bebida,
para por em suas razões
o motivo da estória aludida.

Ao emérito entrego cabal denúncia
contra “João Grande”,
assim cognominado
JOÃO de nome, SILVA registrado
deste município paraibano
para que seja devidamente processado,
condenado e excluído
por uns tempos, do seu convívio urbano.

(J) Recebo a denúncia e fica designado
para o próximo dia útil
o interrogatório do Acusado
onde será analisado
o motivo que deu causa
se fútil ou qualificado.

Assim, foi ouvido JOÃO DA SILVA
Sem comparecer o Dr. Advogado.
Sem Testemunhas de Defesa.
Sem nada a alegar nestes traslados.
Resta sentenciar o acusado
e que o passar dos anos
cure este vício desgraçado.

É que em dia festivo
aquele tal “homem de bem”
se fez “bicho” apaixonado,
tomou todas em casa
e desceu à casa do pecado.

Sendo aí procurou
de nome MARIA CAROLINA
a tal já conhecida
a mais bonita da “Casa de Jacutinga”.
Não queria APARECIDA
pois disse ter pernas finas.
Não queria ANALICE
tão cego da burrice
procurou a encrenqueira
que após sadomazoquices
satisfeitas as malícias
meteu no “bucho” a peixeira
pondo termo as suas carícias.

Sendo preso logo após
em flagrante delito consumado
um corte que nem tocou
a primeira pele do órgão aqui citado
e o sangue que saia,
era o sangue regrado.

Ah! Mulher vã...
que fizeste ao João,
em teu leito deitaste sem prazer
na doce sina da prostituição
e por dinheiro não ter ele
colocaste-o na prisão.

E por nada ter lembrado
sem defesa, e sem advogado,
de tudo estou informado
mas, nada posso fazer.
Ordeno à Escrivania
o competente mandado bater
fica João encarcerado,
mas a Justiça o tempo há de fazer!

Rau Ferreira

Esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança é mera coincidência.

Personagens: (S) Súplica. (D) Delegado. (J) Juiz. (P) Promotor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…