Pular para o conteúdo principal

Histórias de Ovnis (Parte II)


Por Júlio César (*)

Ufologia: O caso da mangueira na BR-104

Em 1986, uma estranha onda de observação de discos voadores varreu o Brasil de norte a sul ao ponto de oficialmente a Força Aérea Brasileira admitir em coletiva nacional de impressa que perseguiu 21 ovnis. A Paraíba não ficou de fora e muitas histórias sobre avistamentos começaram a aparecer, porém, pouco foi documentado do ponto de observação fotográfica.
Nessa época, lembro-me do caso da “mangueira queimada”, novamente parto do conceito que não sei de sua veracidade, apenas ouvia as pessoas citarem que um agricultor pedalava em direção a cidade de Remígio, distante talvez uns 10 km de Esperança, na madrugada. Seu objetivo era ir dormir na casa de parentes, mas, num trecho antes da Polícia Rodoviária, avistou um brilho estranho que parecia vir por trás de um galpão de estocagem de batata inglesa. Mesmo achando estranho prosseguiu seu trajeto.
Ao chegar ao lado do local, se deparou uma “cuia emborcada” acessa sobre os galhos de uma mangueira. O susto foi tão grande que o agricultor teria caído no acostamento da estrada. No chão, percebeu que o brilho da “cuia luminosa” oscilava como quem queria apagar e nunca apagava.
Amedrontado ele se escondeu no mato e ficou vendo o “bicho” subir lentamente e apagar de vez. Sem entender do que se tratava e sem conseguir uma explicação o mesmo teria procurado amigos e a policia para falar do caso. Embora não tivessem feito nenhum boletim de ocorrência sobre o assunto, pessoas falavam que a polícia teria apenas ido averiguar e constatou que havia folhas murchas na copa da mangueira poderiam ter sido provocadas pelo sol quente.
O assunto foi deixado de lado pelas autoridades, porém, o agricultor sempre narrava o que tinha visto sem botar nem por uma única linha. O fato atiçou a curiosidade das pessoas, eu mesmo, na época fui um dos que foram ver a tal “mangueira queimada” e realmente, passado alguns dias do caso, havia uma mangueira próxima a um galpão que tinha sua copa com as folhas completamente secas enquanto o restante permanecia verde.
Depois vieram com uma história que aquilo se tratava da praga “vassoura de bruxa”, mas, estranhamente, mesmo passados alguns meses do fato, a mangueira continuava com sua copa sem nascer uma única folha. O que levava pessoas a sempre ir lá ver o fenômeno.
Irritado com o caso e os curiosos em sua propriedade, o dono do sitio mandou cortar a árvore. Foi somente assim que as pessoas deixaram de visitar a estranha “mangueira queimada” e a história acabou deixada de lado.   

Por Júlio César (*)

(*) Cartunista e pesquisador, atualmente desenvolve um projeto que finalizará em 2014 com a publicação de um livro sobre o futebol paraibano.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…