Pular para o conteúdo principal

Estórias de botijas

Antigamente não havia bancos e as pessoas escondiam as suas riquezas com medo dos bandoleiros que assolavam a região. O costume era encher uma botija – espécie de moringa – com moedas de ouro e de prata e enterrá-las em um lugar a salvo dos inimigos do alheio. A prática era seguida por fazendeiros e também pequeno comerciante ocorre que passado algum tempo o proprietário morria e a família muitas vezes desconhecia da existência daquele tesouro.
Lendas e crendices populares giram em torno das riquezas enterradas na terra. Estórias de almas, mal assombros e aparições fazem parte desta cultura. Todavia, existem certas regras a serem seguidas: a pessoa que vai desenterrar deve ir sozinha e não deve dizer nada a ninguém; aconselha-se traçar a estrela de Salomão sobre o lugar para afastar os maus espíritos.
Lembro com satisfação que minha avó materna falava de uma alma que lhe havia dado uma botija. A indicação era uma casa antiga que pertenceu a uma fazendeira no Sítio Cabeço. Ali, com exceção do telhado, portas e janelas, tudo era de pedra. Os batentes eram enormes e havia um sótão onde os escravos dormiam. A “visagem” teria dito que antes da botija encontraria um garfo e uma faca cruzados.
Ao acordar do sonho ela contou tudo para o meu avô que decidiram se aventurar juntos. No dia seguinte, por volta da meia noite, os dois se dirigiram ao local e começara a cavar; vultos, sons estridentes e coisas do tipo foram ouvidas; meu avô encontrou o primeiro sinal, mas ao retirarem o pote de barro tudo se transformou em palha de milho bem verdinho.
José Soares – o poeta repórter – chegou a fazer um cordel sobre este tema. Este poeta popular relembra um fato semelhante ocorrido em Campina, onde um seu vizinho sonhou com uma alma que lhe fez recomendação para desenterrar o tesouro. Contudo, o homem contou a sua mulher e foram os dois juntos até o lugar prescrito; ao iniciar as escavações, ouviu-se uma voz distante chamando o seu nome e, ao virar-se para ver quem era o buraco logo se fechou e encontraram apenas carvão e pedras. O assunto foi matéria do Jornal do Comércio em 22/05/1977.
Em Esperança há notícias de botijas que foram retiradas de casas velhas e lojas comerciais. Segundo a tradição, um homem estava fazendo uma reforma na sua residência quando os pedreiros toparam com uma parece fofa; a marreta logo descobriu uma superfície arredondada. Percebendo aquele inusitado objeto, o proprietário haveria dispensado os trabalhadores no meio do dia e sozinho retirado a panela com algumas moedas.
Há o relato ainda que, onde funciona atualmente uma farmácia de manipulação, por trás da igreja matriz, fora encontrada uma pequena peça de barro com algumas moedas.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…