Esperança: Obras em '58

By | 18.2.15 Deixe seu comentário
Pedro Godim deu uma atenção especial para Esperança. Logo no início do seu governo determinou uma série de serviços estruturantes na cidade. O plano foi desenvolvido pela Secretaria de Viação e Obras, que construiu cinco reservatórios d’água, reformou o Grupo “Irineu Jóffily”, alargou a estrada Esperança-Algodão além de executar um plano de emergência para evitar a evasão agrícola.
O governador visitou as obras em maio daquele ano, em companhia do Deputado Chico Souto – amigo pessoal – e do Presidente da Câmara Fernando Cabral [hoje, Juiz aposentado do TRT].
As comunidades de Lagoa de Pedra e Pedra Pintada [iniciado em ’52] poderiam acumular o líquido precioso para os períodos de estiagem em grandes reservatórios. No tanque da Capeba, por exemplo, trabalharam 200 homens, e foi desobstruído ainda o de Lagoa Comprida.
O “Irineu Jóffily” – mais antigo grupo escolar do município – funcionava em situação precária, com dependências em péssimo estado e algumas prestes a desabar, ameaçando a segurança de professores e alunos. Os pais estavam a ponto de retirarem seus filhos da escola. Foram feitos reparos em todas as salas de aula, pavilhões, pátio de recreação, galerias e sanitários. E recondicionados todo o mobiliário e as instalações daquela unidade.
A retificação da estrada Esperança-Algodão foi outra preocupação do governo, como parte do Plano de Emergência para enfrentamento das secas com serviço para cerca de 400 homens.
Assim comentava o repórter José Ramos:

Num município que não possui fábricas, que vive integralmente da produção agrícola, há uma disponibilidade considerável de mão de obra, procurando emprego, aglomerando-se na cidade e nas vilas para pedir socorro.
A ordem do governo é no sentido de colocar todos nas obras que se realizam no município, de modo a não faltar o pão e o agricultor desarvorado pela seca, dispor de sua diária para fazer a feira”

Até crianças eram aproveitadas nesse serviço, coisa que hoje é politicamente incorreto:

Vêem-se, por exemplo, crianças de 10 a 12 anos, sem energia para o trabalho pesado, carregando terra em pequenas padiola improvisadas.”

Montadas – conhecido reduto udenista – também foi beneficiado com a construção de um açude em que se empregaram duas centenas de pessoas.
Os trabalhadores mostravam-se satisfeito, pois era a única fonte de renda na seca. O próprio secretário interino Robson Espínola chegou a inspecionar pessoalmente as obras, comparecendo ao município em um Jeep “chapa branca”, sendo chamado por Chico Souto de “insubstituível” devido ao seu grande empenho. Dois dias depois, por coincidência, Espínola foi efetivado em suas funções.

Rau Ferreira

Referência:
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.

- A UNIÃO, Jornal. Edição de terça-feira, 06 de maio. João Pessoa/PB: 1958.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: