Pular para o conteúdo principal

Esperança no cenário nacional

Esperança – apesar de pequenina – sempre mereceu destaque na imprensa nacional, seja pelo seu apoio incondicional ao Presidente João Pessoa, através dos destacados conterrâneos Silvino Olavo e Elysio Sobreira, ou mesmo devido a produção de batatinha, que chegou a ser uma das maiores do país.
Com efeito, relacionamos algumas dos principais artigos publicados em jornais do Rio que denotam esta condição impar do nosso pequeno torrão.
“Os decretos assignados. (...). Nomeando ajudante do procurador da República: Francisco Salles de Albuquerque, no município de Esperança, na secção da Parahyba do Norte” (Gazeta de Notícia: 20/20/1926).

“Nomeações. Por decreto... Em dezembro de 1926... Ajudante do Procurador da Repúbica, no Município de Esperança: Francisco Salles de Albuquerque” (O Paiz, 22/12/1926).

Idêntico conteúdo n’O Imparcial (Rio: 02/02/1926) e no periódico A Manhã (Rio: 20/02/1926 e 22/12/1926).

“Parahyba, 16. – A commissão executiva do Partido Republicano indicou o coronel Elysio Sobreira, commandante da Força Pública, para chefia política do município de Esperança”
Esperança à época era a síntese do Brasil, uma miniatura do modelo político dominante” (A Manhã: 19/01/1926).

Em 1942, era publicada a seguinte nota de jornal:

“Novo prefeito de Guarabira
JOÃO PESSOA, 21 (AN) – O interventor Rui Carneiro assinou decreto nomeando o sr. Sebastião Vital Duarte, prefeito do município de Esperança, para idêntico cargo no município de Guarabira.” (A Manhã: 22/10/1942).

Sebastião Duarte era irmão do interventor Samuel Duarte e administrou o município de Esperança entre os anos 1940/42.
Notícias políticas também recheavam os periódicos daqueles tempos:
“Perseguições políticas na Paraíba. Demissões e transferências de funcionários pessedistas. (...)
No município de Esperança, o prefeito, em combinação com a polícia, proibiu o trânsito pelas ruas da cidade depois de 23 horas, mandando dar o ‘toque de recolher’ pelo sino da matriz. Como se vê, Esperança parece até uma terra ocupada pelo inimigo...” (A Manhã: 07/05/1947).

“O PRESIDENTE JOÃO PESSOA É RECEBIDO NOS MUNICÍPIOS PARAHYBANOS COM EXTRAORDINÁRIAS MANIFESTAÇÕES DE SOLIDARIEDADE E ENTHUSIASMO. Parahyba, 19. De acordo com o seu programma de visitar o interior do Estado, o presidente João Pessoa visitou o município de Esperança, passando por Alagoinha, Alagoa Grande, Areia e Alagoa do Remígio, sendo recebido em toda parte com extraordinárias manifestações de solidariedade e enthusiasmo. Alagoinha, Alagoa do Remígio e Esperança constituem frente única a Aliança Liberal. Alagoa Grande e Areia têm opposições, sendo inferior a dez por cento o seu eleitorado” (Diário Carioca: 21/11/1929).

E comunicados agrícolas, como esse:

“Mais um banco de crédito agrícola e commercial na Parahyba. Parahyba, 24 (A. B.) – Foi fundado no município de Esperança um banco agrícola commercial, no systema Luzzatti.
Esse emprehendimento vem satisfazer a uma necessidade local, beneficiando os agricultores que muito soffriam pela falta de ume estabelecimento no gênero” (Diário Carioca: 25/08/1929).

Rau Ferreira

Referências:
- O PAÍZ, Jornal. Edição de 22 de dezembro. Rio de Janeiro/RJ: 1926.
- A MANHÃ, Jornal. Edição de 19 de janeiro. Rio de Janeiro/RJ: 1926.
- A MANHÃ, Jornal. Ano II, N. 371. Edição de 22 de outubro. Rio de Janeiro/RJ: 1942.
- A MANHÃ, Ano VI, N. 1.760. Edição de 07 de maio. Rio de Janeiro/RJ: 1947.
- DIÁRIO CARIOCA, Jornal. Edição de 25 de agosto. Rio de Janeiro/RJ: 1929.
- DIÁRIO CARIOCA, Jornal. Ano II, N. 409. Edição de 21 de novembro. Rio de Janeiro/RJ: 1929.

- GAZETA DE NOTÍCIAS, Jornal. Ano LI, N. 43. Edição de 20 de fevereiro. Rio de Janeiro/RJ: 1926.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…