Pular para o conteúdo principal

Esperança n'A Folha do Sertão

Encontramos o seguinte texto falando do município de Esperança n’A Folha do Sertão:

Ter esperança é muito bom. Esperar que venha dias melhores, que as coisas se ajeitem da melhor maneira. Sempre querendo mais, sonhando com o impossível, planejando as possibilidades, realizando o possível. E, como diz o poeta: “amanhã pode acontecer tudo, inclusive nada.” Ter sempre esperança que um dia a humanidade evolua mais em sentimentos que em produção de armamentos. É assim que devemos viver, o resto é bobagem. Viver tendo sempre esperança.
          
 Esperança, prima caçula. Bonitinha, naquele vestido de chita, toda arrebitada, nos quinze “incompleto”.  E ele com quase treze, vez enquanto tava por perto da Esperança tão esperada. Esperança que nos ensaios de quadrilha de São João, dançaria com Esperança, com ela fazendo par. Quando, sem jeito, olha nos olhos dela derrete-se naqueles azuis, feito mel se espalhando no fubá.

Mas, nem bem terminou maio, Esperança improvisou um desmaio e caiu nos braços dele. Também não contou conversa, tampouco pensou mais que alguns segundos e pegou no peito dela. Pra quê? Esperança mais que depressa, sapecou-lhe entre os olhos os cinco mandamentos. Parou o camaleão, atrapalhou o “anarriê” e no meio do “alavantú” trocou de par, deixando-o para sempre a sonhar com aquele toque pontudo.

Esperança que morreu, que nem era mãe mas tinha idade de ser avó. Foi uma Esperança moça velha, sempre fora solteira, nunca esteve em bandalheira, sabia pilar no pilão. A filha dos “Andrade” que, numa noite de São João, foi beijada “meia boca” pelo seu primo Afrânio. Ficou toda encabulada, cresceu-lhe uma palpitação. Nunca perdeu a esperança de beijar Afrânio por inteiro, sentir como era seu fogo. Mas, o tempo foi ingrato e Afrânio nunca mais beijou Esperança que ficou encalhada por trás de forno e fogão, lata d’água na cabeça e lençol de lado, nas capoeiras, na cata de algodão.

Esperança cidade da Parahyba. Suave, de clima muito agradável, que nos enche de esperança. Esperança renovada no projeto de construir novas realidades, realizar nossas utopias, reconstruir o discurso, aprender com a diversidade.

Esperança é múltipla. A cidade convive com o contemporâneo das parafernálias eletrônicas e a feira livre do século passado. Esperança onde se acha o poeta Benedito, fazendo rimas, vendendo fogão, fazendo rezas e lendo mão. De gente que mantém tradição, muito de índio “nas feição”, misturado com o que há de tudo, todo tipo de gente. Tem gente com traço cigano e... cada loira! ...tem também caucasiano.

A esperança é bem diversa. Aparece em meio a qualquer conversa, é um sonho material, uma casinha com grande quintal. É uma confissão, pra quem é confiança. Esperança é coletiva e individual. Tão diversa como este texto. Que tenho esperança que você tenha lido até o final”
Autor: Geraldo Bernardo

Mantivemos contato com aquela folha no sentido de obter maiores informações sobre os assuntos mencionados no texto, já que o autor demonstra um bom conhecimento nos assuntos do nosso município.
Estamos aguardando e publicaremos se surgirem outras novidades!

Rau Ferreira

Fonte:

- Folha do Sertão, texto de Geraldo Bernardo: http://www.folhadosertao.com.br/; em 23/05/2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…