Egídio de Oliveira Lima

By | 22.2.15 Deixe seu comentário
Egídio Gomes de Lima
Egídio de Oliveira Lima era filho de Francisco Jesuíno de Lima e Rita Etelvina de Oliveira Lima. Nasceu em Esperança no dia 04 de junho de 1904 e faleceu na capital paraibana a 23 de fevereiro de 1965.
Poeta popular, jornalista e autodidata destacou-se como folclorista e escritor de cordéis cuja maior parte fazem parte do acervo da Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro.
Mudou-se para Campina em 1937 e nos anos 60 foi residir em João Pessoa.
Escreveu diversos artigos sobre a literatura de cordel para as revistas Arius (Campina Grande) e Manaíra (João Pessoa), das quais foi colaborador e redator. Dirigiu a revista “As fogueiras de São João” (1941) e foi o responsável por colecionar as antigas edições dos folhetos de Leandro Gomes de Barros - festejado autor cordelista paraibano - e de outros autores, cedido posteriormente a Universidade da Paraíba.


Na fotografia acima observamos, em primeiro plano, sentados: Inácio Rocha (esquerda) e Egídio Lima (direita); em segundo plano, em pé: Antônio Mangabeira e Epitácio Soares.
Na época em que se interessou pelo cordel o assunto merecia desprezo na Paraíba, assim podemos dizer que Egídio foi um desbravador neste sentido. Privou da amizade de grandes nomes desta literatura, como José Limeira e ganhou certa notoriedade. Seus folhetos sobre o Padre Cícero e Getúlio Vargas, tiveram uma grande tiragem, este último contou 50.000 exemplares e se destinava à distribuição popular. Sua principal obra foi “Os Folhetos de Cordel”, uma antologia que reúne diversos versos produzida pela Editora Universitária em 1978.
No ano de 1937, com Antônio Manguabeira, fundou a Academia das Esquinas, um círculo informal que se reunia, quase sempre, à noite nas esquinas campinenses, erigindo esses locais como centro de circulação de ideias e de preocupações sócio-culturais. Três anos depois, tomando por base os mesmos freqüentadores, inicia as atividades da Academia dos Simples que, apesar da informalidade, tem seus estatutos e membros filiados da qual fazem parte Epitácio Soares, Anézio Leão, Mauro Luna, Felix de Souza Araújo, Inácio Menezes Rocha e José Nobrega Simões. O esperancense também participou, anos depois, do Clube Literário de Campina Grande (1947), assumindo a função de 2º Secretário (1950).
Como cordelista, é autor dos seguintes títulos: Desafio de João Silveira com Egídio Lima (Tipografia Luzeiro do Norte), Parahyba de Luto: o bárbaro assassinato do presidente João Pessoa em Recife (sob o pseudônimo de Zé Parahybano), A Miséria de 1930 e o Choro de 1931.
Do livro “Coletânea de Autores Campinenses” extraímos a seguinte poesia de sua lavra:
Meus cabelos brancos

Os meus cabelos brancos vão nascendo
Como fios de neve sobre a serra
A cabeleira presta se desterra
Enquanto a nevoenta vai crescendo.

Na luta por que vou envelhecendo,
Sinto crescer a mágoa que me aferra,
Eu temo esta velhice aqui na terra
Porque dês que nasci vivo sofrendo.

No outono a folha verde murcha e morre,
O rio desce e, lentamente, escorre
Deixando as barbas brancas nos barrancos...

A vida passa e eu nesta jornada
Contemplo a minha vida debruçada
Sobre o sudário dos cabelos brancos...

Egídio de Oliveira Lima é patrono da Cadeira nº 22 da Academia de Letras e Artes do Nordeste. Uma rua no bairro de Nova Brasília em Campina Grande e uma praça no bairro dos Bancários, em João Pessoa, foi assim denominada em sua homenagem.

Rau Ferreira

Fonte:
- ALMEIDA, ÁTILA Augusto F. (de). SOBRINHO, José Alves. Dicionário bio-bibliográfico de repentistas e poetas de bancada, Volumes 1-2. Ed. universitária: 1978, p. 158.
- Bibliografia CORDEL WIKI. Disponível em: http://pt-br.cordel.wikia.com, acesso em 19/08/2010;
- Coletânea de Autores Campinenses. Comissão Cultural do Centenário. Prefeitura de Campina Grande. Campina Grande/PB: 1964.
- LESSA, Orígenes. Getúlio Vargas na literatura de cordel: ensaio. 2ª Edição. Ed. Moderna: 1982, p. 9 e 13.
- LIMA, Egídio de Oliveira. Os Folhetos de Cordel. Ed. Universitária/UFPb: 1978. 
- Município de João Pessoa, Lei nº 11.544, de 15/09/2008: denomina Praça Egídio de Oliveira Lima no bairro dos bancários. Semanário Oficial: nº1.132 de 21 a 27/09/2008, p. 02;
- RAPOSO, Thiago Acácio. Nas tramas dos versos: a construção do herói João Pessoa na literatura de cordel nordestina (1928-1931). UEPB. Curso de História. Campina Grande/PB: 2016.
- Site: Vivendo e aprendendo, disponível em cache: http://dd-vivendo-e-aprendendo.spaces.live.com.

- GAUDÊNCIO, Bruno Rafael de Albuquerque. Da Academia ao Bar: Círculos intelectuais, cultura impressa e repercussão do modernismo em Campina Grande/PB (1913-1953).UFCG. Campina Grande/PB: 2012.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: