Pular para o conteúdo principal

Banabuyé, por Vanderley de Brito

Prof. Vanderley de Brito*

O vocábulo banabuiê é de origem cariri, dos bultrins, que eram na verdade os índios Aramuru e falavam o dialeto Kipeá. O nome Bultrin é uma alcunha que lhes foi imputada pelos holandeses, que os chamava de Boldrins, termo da língua germânica que quer dizer “corajosos”.
No Brasil, raros foram os estudiosos que se debruçaram nas línguas nativas dos tapuias, quase todos os estudos lingüísticos dos dialetos brasílicos até a atualidade se resumiram apenas nas línguas derivadas do tupi e do guarani, e isso fez com que muitos vocábulos tapuias fossem corrompidos para atender ao léxico tupi-guarani e forçosamente traduzidos para dar uma resposta imediata à crescente demanda de conversão destes vocábulos que, muitas vezes, tinham importância como definidor primitivo de uma determinada localidade. Como é o caso da cidade de Esperança, cujo vocábulo banabuiê reflete sua origem primária.
Na verdade, o vocábulo banabuiê não é um vocábulo, mas sim duas palavras, um substantivo e um adjetivo. Portanto, é uma sentença de dois vocábulos: mbana- bu-iê, pois o termo bana-bu-ie é corruptela de “mbana-bu-ie”. 
O termo mbanã era como os bultrins denominavam os tanques de pedra. Desse modo, assim como o termo “banabuiê”, o vocábulo “puxinanã” (que também pertence ao dialeto Kipéá), seria originalmente puxi-bnanã (lajedo do tanque). Porém, no dialeto, a letra “b” estando no início da palavra sua pronúncia é naso-labial, ou seja, produz o som “mb”. Por isso, o som do m é mudo e, possivelmente, o português perpetuou a ortografia do vocábulo conforme o seu entendimento auditivo: bana-bu-iê; puxi-nanã
Esclarecido o substantivo “tanque de pedra”, ou simplesmente “tanque”, vejamos agora a tradução do bu-iê: A língua kipeá tinha sua gramatização própria e a locução “bu-ie” é um adjetivo inflexível para definir intensidade ou tamanho grande, que acompanha todos os vocábulos que precisam desse aplicativo gramatical. Exemplos: baleia em kipeá é setobuie, de seto=peixe + bu-ie=grande. Portanto, bu-ie é uma regra gramatical do kipeá para definir grande, observemos outros exemplos: kro-bu-ie = pedra grande, anran-bu-ie = homem grande, niejni-bu-ie = cobra grande, e assim sucessivamente. A gramatização adjetiva do dialeto vem sempre após o substantivo, dessa forma acontece também com outros adjetivos, como pequeno, que é o substantivo acompanhado de bu-pi (Ex: kro-bu-pi = pedra pequena) e vermelho, que é bu-he (Ex: kro-bu-he = pedra vermelha).
Portanto, baseado nessa regra gramatical, mbana-bu-ie seguramente é “tanque grande”. Vale salientar que este adjetivo pode dizer respeito à largura, comprimento ou profundidade. Também é interessante saber que não pode ser “tanques grandes”, porque se fosse plural, de acordo com a regra gramatical do kipeá, seria mbana-i-bu-ie-a, e a palavra que atravessou os séculos para chegar até nós é mbana-bu-ie. Ou seja, “tanque grande”, no singular.
Isso significa dizer que, se a atual cidade de Esperança se chamou no passado de mbana-bu-ie, certamente havia um grande tanque de pedra no lugar que, naturalmente, servia para armazenar águas meteóricas e tornava o lugar um ponto atrativo por oferecer condições de subsistência nos períodos de verão.
Hoje, nesta cidade, a urbanização não denuncia a existência do referido tanque que serviu como referencial do lugar, mas Irinêo Joffily dizia que a cidade de Esperança (antiga Banabuyê) está sobre uma grande rocha e que chegou a ver o lugar quando ainda era apenas uma fazenda de criação onde havia numerosos tanques obstruídos. Mas convém dizer que, se estavam obstruídos no tempo de Joffily (meados do século XIX) não significa dizer que sempre estiveram, muito possivelmente nos idos do século XVIII ainda deviam armazenar água, até porque uma sesmaria de 1789 menciona existir um lugar chamado Tanque Grande no sertão de Banaboié.
Particularmente, minha opinião é que este tanque grande ficava no centro da atual cidade, para ser mais preciso, na região onde está a Rua José de Andrade, pois nesta localidade, no ano de 1997, quando se estava construindo o prédio de depósito da loja Decorama, os trabalhadores encontraram vários ossos fossilizados de grandes animais extintos e os moradores antigos da cidade diziam que ali existiu no passado uma grande lagoa. É comum encontrar resíduos fósseis de uma megafauna que habitou todo o continente durante o pleistoceno e que se extinguiu há aproximadamente 10.000 anos, uma fauna de preguiças-gigantes, tatus-gigantes, camelídeos, toxodontes e paquidermes, entre outros tipos faunísticos bizarros. Geralmente estes animais vinham até os tanques beber água e acabavam caindo nos reservatórios, cujas paredes íngremes não mais permitiam que saíssem e ali eles encontravam a morte e a fossilização de seus restos mortais.

Vanderley de Brito

*Historiador, escritor e etnólogo da Sociedade Paraibana de Arqueologia




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…