Ave-Marias, poema de Rau Ferreira

By | 2.2.15 Deixe seu comentário
As choupanas das árvores estão
Menos ornadas em seus castiçais
E a vida perde um pouco mais
Enquanto pede a sua redenção.

Pobres e tristonhos são
Os pequenos tenores astrais
Da Mater-natura sapiensais
Em suas dadas cogitações.

Aves canoras que reinam
Nos improvisos matinais
Sabiás, pintas silvas e pardais,
Galos de Campina e canção.

Escandalosa a libertação
Pois o canto lhe satisfaz
O homem se lhe apraz
E é fadado à condenação.

Canários em multidão
Aves-marias fenomenais
Homens presos como animais
Nos céus, somente restarão.


Rau Ferreira
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: