Pular para o conteúdo principal

A revolta das galinhas contra o carneiro ladrão

(Pra que a vida se respeite e erro maior seja evitado)

(Esse caso foi publicado em 1995, na 23ª edição do jornal Novo Tempo, especial comemorativo dos 70 anos de emancipação política de Esperança/PB, a partir de relato e fotografia de Silvestre Batista, uma das vítimas revoltadas do tio Antonio Cândido. A despeito do mal-estar, os proprietários das galinhas puderam dar o troco e comer uma boa buchada.)
_______________________________________________________________________



I
Lá pelos anos 40
De uma segurança relativa
Um episódio marcante
Por duas perspectivas:
De um lado tinha galinha
Do outro, carneiro tinha,
Envolvendo comitivas.

II
Uma leva de amigos
Era sempre convidada
Pra comer uma penosa
Cozida, frita ou guisada.
Só que havia gatunagem
Isso nunca foi miragem
Metida na empreitada.

III
Mas a dona do carneiro
Não criava ave alguma
Como era que o parceiro
Galinhada assim propunha?
Gerando a desconfiança
Da pequenina Esperança
Faz surgir a sua alcunha.

IV
Era o “Carneiro Ladrão”
Que as galinhas rapinava
De qualquer um seu vizinho
Quem assim se revoltava:
E pra dar uma de bonzinho,
Diante de um pobrezinho,
Pra um almoço convidava.

V
Foi um, dois, tantos foram
Convidados pra almoçar
Sempre comendo galinha
Que começam a desconfiar.
Pois ficariam de butuca
Armariam uma arapuca
E um plano para se vingar.

VI
Pela calada da noite,
“As Galinhas” revoltadas
Raptariam o carneirinho
De estimação afamada.
E sua dona, eu duvido,
Nem culpava o marido
Pela sina malfadada.

VII
Prepararam um banquete
Pra comer uma buchada
E convidaram o gatuno
Pra vingança ser gelada.
E o carneiro de estimação
Virou uma gostosa lição
No “Estudantil” lembrada. *




*Assim também era conhecido o Novo Tempo: Jornal Estudantil.
_______________________________________
Evaldo Pedro Brasil da Costa
(Em 04 de Junho de 2008)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…