Vaidade, poema de Rau Ferreira

By | 5.1.15 Deixe seu comentário
Vaidade

Vaidade das vaidades
Tudo é vaidade humana!

De todas as ilusões profanas
Ela - a vaidade - é puro desvalor;
Arde-lhe uma chama insana,
Mais voraz que o próprio amor.

Leve e quebradiça como a cana
Sedutora como a mais tenra flor;
Deita-se quem não lhe conhece a cama,
E bebe quem nunca provou-lhe o sabor.

A vaidade é a mulher-dama
Abrindo-se ao terreno do amor;
O homem, quedando-se, se engana,
E finda, pó e cinza, o seu decor.

Rau Ferreira
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: