Pular para o conteúdo principal

Sol: Angelus

A POESIA IRMANADA À PINTURA

Angelus, o poeta pintor


Com esta concepção o pintor ANGELUS idealizou o “Salão dos Poetas”, que seria inaugurado no dia 21 de janeiro de 1924.
“(...) é natural que uns e outros se unam, para realizar juntos tão altos objetivos”. Compreendia o artista que poetas e pintores deveriam andar juntos. Ao receber a primeira impressão que a poesia lhe concedia, retratava tal qual a sua imaginação. Neste sentido, apresentou 79 trabalhos, dos quais 28 ilustram o novo livro de PAULO TORRES (Bailados Brancos) e sete são concepções exclusivamente suas, de poeta verdadeiramente.
Na publicação que nos foi dada a conhecer, acrescia o rol dos poetas que contribuíram para o salão o vate SILVINO OLAVO, cujos versos foram transformados em quadro assim como de outros poetas: Adelmar Tavares, Alberto Nuñes, Alvaro Moreyra, Anna Amélia Carneiro de Mendonça, Arnaldo Damasceno Vieira, Attilio Milano, Basto Portela, Cecília Meirelles, Da Costa e Silva, Duque Costa, Fernando Melro, Gil Pereira, Gilberto Amado, Gilka Machado, Guilherme de Almeida, Hermes Fontes, Jarbas Andréa, Luiz Carlos, Maria Eugenia Celso, Moacyr de Almeida, Murillo Araújo, Nosor Sanches, Nobrega da Cunha, Olegario Marianno, Onestaldo Pennafort, Orestes Barbosa, Oscar Cunha, Oswaldo Orico, Paulo Moreno, Paulo Torres, Peregrino Júnior, Pereira da Silva, Rodolpho Machado, Ronald de Carvalho, Rosalina Coelho Lisboa, Vina Centi e Zilah Monteiro.
Por fim, registre-se que ANGELUS concebeu a capa e as ilustrações de CYSNES, primeiro livro de poesias de SOL que foi lançado no Rio em 1924.

Rau Ferreira


Referências:
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Edições Banabuyé. Ex libris do autor. Esperança/PB: 2010.
- O IMPARCIAL, Jornal. Ano XIII, N° 4.047. Edição de quinta-feira, 17 de janeiro. Rio de Janeiro/RJ: 1924.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…