Pular para o conteúdo principal

Pedro Anísio

Escritor Pedro Anísio
Pedro Evangelista dos Santos é o pseudônimo de Pedro Anísio, um ícone da rádio brasileira e autor de mais de 17 novelas.
Nascido em Esperança em 03 de abril d 1918, seu primeiro trabalho foi “Destino roubado” (1942), sendo a obra “Um fantasma de mulher” aquela que lhe rendeu grande fama; entre outros títulos de sua autoria, destacam-se: “Ciúme” e “Libertação”. Seus textos eram datilografados e novelista fumava para se inspirar. A ideia surgia a qualquer hora do dia ou da noite. Chegou a trabalhar como ator, cometendo a seguinte gafe:

Eu estava no início de minha carreira quando tive que trabalhar numa peça de rádio-teatro e responder por miados, porque era um gato, às perguntas de minha dona. Quando a estrela perguntou: ‘gatinho, você quer leite?...’ Nervoso, declarei: Quero sim, senhora!...”.

Na rádio foi locutor de um programa sobre cinema e passou pelas rádios Globo (A mulher que ri); Cruzeiro do Sul, chegando a receber um cachê de 15 mil réis; Rádio Nacional, com o programa VITRINE; e na extinta Tupy, produzindo com Berliet Júnior uma das primeiras novelas daquela emissora com o nome “As aventuras de Buck Rogers” e que tinha no papel de galã Manoel Barcelos, e como heroína Vilma Faria. Na Tupy ainda escreveu para o programa “Minha vida pela música”, estrelado por Vicente Celstino.
Na Rádio Inconfidência (PRI-3), escreveu em 1954 a novela ESTÁ ESCRITO NO CÉU, que tinha no elenco: Paulo Severo, Élzio e Seixas Costa, Anete Araújo e Aguinaldo Rabelo.
Na Radio Nacional dramatizou “As árvores que marcham”, com temática bíblica inspirada nos versículo 23 do Cap. VIII de S. Marcos.
Era muito versátil e dizia não ser supersticioso. Certa vez escreveu um capítulo de uma novela, enquanto Paulo Gracindo e o resto do elenco estavam interpretando, passando o script por baixo da porta. O seu modo de escrever valeu-lhe o seguinte comentário:

“Pedro Anísio – autor de várias histórias, escreve suas novelas como gosta: a maneira de conta-gotas. Deixa cair um capítulo de cada vez e, assim mesmo, em cima da hora. Pensa numa história, conta seu início, mas não sabe como termina e só termina a novela quando fica farto dos personagens e do que eles fazem” (Revista do Rádio, N. 305. Edição de 06/08/1955).

Gozava de francas amizades, como a que tinha com o cantor Francisco Alves. Trabalhou também como produtor, ajudando muitos atores em inicio de carreira. Para ele, os maiores novelistas de seu tempo eram: Amaral Gurgel e Raimundo Lopes.

Rau Ferreira

Referências:
- SAROLDI, Luiz Carlos. MOREIRA, Sonia Virgínia. Rádio Nacional: O Brasil em sintonia. Jorge Zahar Editora Ltda. 3ª ed. Rio de Janeiro/RJ: 2005.
- RÁDIO, Revista do. Ano II, n. 19. Edição de setembro. Rio de Janeiro/RJ: 1949.
- RÁDIO, Revista do. Ano IiI, n. 56. Edição de outubro. Rio de Janeiro/RJ: 1950.

- RÁDIO, Revista do. Ns. 99, 31/07/1951 e 231, de 13/02/1954.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…