Pular para o conteúdo principal

O Cysne de Legenda

Rau Ferreira*


Q
uando iniciei o meu estudo literário acerca da figura de Silvino Olavo não imaginava o ruído que trabalho me proporcionaria. Um zunido de palavras que evocavam um passado expressivo de glória e esquecimento. E alguém falou que o assunto era incipiente, sonolento...
Silvino possuía realmente uma inteligência multiforme. Político, poeta, jornalista, advogado... e uma incontável soma de atributos. Um homem de expressão como escrevera um dia. E um Cysne de Legenda que soubera compor.
Esperança nunca lhe foi grata pela emancipação política acontecida em 1925 - nunca foi o bastante! Uma biblioteca e uma rua com o seu nome é muito pouco para o que ele representou na história da Paraíba. A placa alusiva ao seu Centenário de nascimento jaz envergada na Praça da Cultura. E o poema que ali se lê – O meu palhaço – pode retratar muito bem esta passagem ingrata.
Com o seu “Cysnes” (1924) conquistou o Rio de Janeiro, sendo bastante aplaudido em seu ensaio poético. Ao chegar à pequenina Paraíba, o consagrado vate recebeu os auspícios de Promotor Público da Capital e Membro do Conselheiro Penitenciário, cargo que assaz lhe foi atribuído na carreira jurídica. Para depois assumir a chefia de gabinete do Governo João Pessoa.
Redator de “O Jornal” e colaborador de diversos periódicos, a exemplo da Revista “Era Nova”, integrou o quarteto fantástico ao lado de Severino, Perillo e Orris – heróis de uma geração. Com Samuel Duarte, José Américo de Almeida e Eudes Barros, chegou a compor o quadro da intelectualidade paraibana que publicava n'A União.

Foi o seu abraço afetuoso que o autor de “Macunaíma” (Mário de Andrade) registro em suas crônicas quando em visita a Paraíba no ano de 1929.
Para ele, não foi o bastante ser o fiel representante do simbolismo neste Estado. Era preciso ser inédito e assim apareceu a sua “Sombra Iluminada” (1927), reflexo de uma vida turbulenta.
A doença também foi sua fiel companheira, desde que intentou acompanhar o seu menestrel nas eleições de 30. No Recife veio a sua primeira crise. A que sucederam tantas outras para findar solitário numa colônia de alienados.
Vinte anos mais tarde salvou-lhe o cunhado Waldemar, a quem anteviu “uma luz”.
Em momentos de lucidez deixava todos atordoados com sua capacidade de compor. E até um cachorro virou amigo-cachorro porque muitos não o são.
Residindo na capital paraibana produzia e produzia, foram muitos os textos dentre os quais conseguimos copilar, em nossas pesquisas, “Política e Democracia”, “Criadores e Criaturas”, “Glória in Excelsis Deo”, “As Razões do Négo Parahybano” e “Gritos do meu tempo”, de um total de 39 recolhidos até agora. Sem contar que Emílio de Ibiarra, publicando em um jornal argentino, louvou-o em página de relevo.
Em Esperança, embora obscuro, transcrevia nas páginas em branca de alguns livros a sua musa “Badiva”. Enquanto isso, Pedro Calmon escrevia as “Memórias” do colega de faculdade, a quem a maioria da turma incumbiu de proferir o discurso de formatura.
A esse respeito, em especial, recebeu elogiosa crítica, pela tese inovadora, mostrando já na década de vinte, a necessidade de se reformar o direito sob bases mais humanas e universais.
Silvino ainda hoje preocupa. Suas ideias liberais e sua força estética movem velhos moinhos. Olavo amedronta. Passeando pelas ruas desta Banabuyé no caminho da Beleza para o bar do primo Antônio, contrariava o cenário político e admoestava estudantes de direito que o julgava desconhecedor de seu tempo.
Festejado lá fora, inúmeros são os livros que fazem referência a sua obra e aos seus textos, servindo inclusive de base para estudos de sua época. Citemos “Morte e Vidas das Oligarquias” de Eliete de Queiróz e “Sertão Alegre”, de Leonardo Mota.
Ao menos o seu epitáfio final -  Alpha de Centauro – poderia sair do papel. Mas quem detém os direitos autorais? Quem poderia imprimir? A família, talvez. Um aventureiro, quiçá.
As folhas do “Novo Tempo”, de Evaldo Brasil e companheiros, fizeram a sua re-estréia em 97. Nelas repousam “O Mafuá” e o “Trem de Ferro”. Relíquias desse Príncipe da Poesia.
A sua memória não pode se esquecida.
A Paraíba merece este presente... o Brasil... o mundo! Por que não? Chamem-me de louco ou apaixonado, dá no mesmo!
Será que agora você vai conseguir dormir com este barulho?

Rau Ferreira*



(*) Cidadão esperancense, bacharel em Direito pela UEPB e autor dos livros SILVINO OLAVO (2010) e JOÃO BENEDITO: O CANTADOR DE ESPERANÇA (2011). Prefaciador do livro ELISIO SOBREIRA (2010), colabora com diversos sites de notícias e história. Pesquisador dedicado descobriu diversos papéis e documentos que remontam à formação do município de Esperança, desde a concessão das Sesmarias até a fundação da Fazenda Banabuyê Cariá, que foi a sua origem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…