Pular para o conteúdo principal

Campanhas do Mequinha: 1977


Campanhas do América de Esperança
no Campeonato Paraibano

Por Júlio César (*)


A última participação americana no campeonato paraibano da primeira divisão aconteceu em 1977. Após as más campanhas de 1975 e 1976 a diretoria decidiu encarar mais uma disputa de campeonato, mas desta vez, o time recebeu apoio de alguns abnegados, políticos e empresários esperancenses para montar uma equipe competitiva. Mesmo assim, problemas estruturais prejudicaram, mais uma vez, a trajetória alvirrubra no estadual. Novamente para sanar alguns débitos a diretoria se viu na condição de venda do mando de campo aos seus adversários. Já que os jogos realizados dentro do estádio José Ramalho da Costa não correspondiam em público. Para se ter uma idéia, somente os jogos contra as equipes do Botafogo, Campinense e Treze davam público que variava entre 300 a 600 pagantes. Nos demais confrontos, a média de publico americana raramente ultrapassava a casa dos 55 pagantes.

Turno / Grupo B

01/Mai                       Treze                          4-0      América
08/mai                       Nacional*                   2-0      América
12/mai                       Campinense              1-2      América
15/mai                       América                     1-1      Esporte
26/mai                       Desp. Borborema     0-0      América
29/mai                       Atlético de Sousa      1-0      América

* Trata-se da equipe Nacional da cidade de Cabedelo.

Com esses resultados o América terminou a fase classificatória na 6ª colocação e pelo regulamento avançavam para a 2ª fase do turno os três melhores colocados de cada grupo. O maior feito da equipe americana foi derrotar o Campinense por 2 a 1.
Returno / Grupo B
18/Ago                      Treze                          6-0      América
21/ago                       Campinense              1-0      América
28/Ago                      Esporte                                  0-1      América

Inserido no grupo B do returno ao lado de Campinense, Esporte e Treze o América acabou na 3ª colocação obtendo uma vitória e duas derrotas. Marcando 1 e sofrendo 7 gols.
Terceiro Turno
16/set                        Botafogo                    6-0      América
21/set                        Treze                          1-0      América
23/set                        Campinense              4-0      América
25/set                        Santos                                    1-2      América
28/set                        Botafogo                    4-0      América
30/set                        América                     wo       Auto Esporte
02/out           Santos                                    0-4      América
05/out           Campinense              5-0      América
07/out           Treze                          3-1      América

Sufocado em problemas financeiros e administrativos, o América se viu forçado a continuar sua política de venda de mandos de campo para poder amenizar suas dividas até o encerramento da competição. Chegando ao ponto de acertar o cancelamento do confronto diante do Auto Esporte na última rodada do terceiro turno.  Na classificação geral, o time alvirrubro encerrou na 11ª colocação. E durante as três temporadas disputadas teve como melhor classificação histórica um 10º lugar em 1975. Seu principais feitos foram a vitória fora de casa por 2 a 1 diante de uma bem montada equipe do Atlético de Sousa em 75, o jogo de garra que protagonizou com o Treze na derrota por 1 a 0 em 76 e a surpreendente vitória contra o favorito Campinense de 77, em pleno amigão, por 2 a 1. No âmbito de goleadas favoráveis, o time contabiliza a goleada por 4 a 0, sobre o Santos no terceiro turno de 77.
Ao todo foi 53 jogos válidos pela Série A disputados no final dos anos 70. Em 1978, a equipe chegou a ser sondada para mais uma vez participar do estadual. Porém, o clube se encontrava afogado em dividas trabalhista e com fornecedores, o que inviabilizou completamente qualquer retorno ao Campeonato Paraibano. Mesmo assim, a diretoria ainda tentou encontrar apoio de empresários e políticos da região, mas, não obteve sucesso. Para não fechar completamente, o América caiu numa espécie de “limbo”, sobrevivendo no amadorismo até 1993, quando reativou o profissionalismo e retornou temporariamente ao cenário do futebol da Paraíba. 

Por Júlio César (*)

(*) Cartunista e pesquisador, atualmente desenvolve um projeto que finalizará em 2014 com a publicação de um livro sobre o futebol paraibano.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…