Pular para o conteúdo principal

Reminiscências - A festa da padroeira

Lembro-me quando criança que esperávamos o ano inteiro a chegada deste momento. Nossas economias eram destinadas a uma roupa nova que inaugurávamos na Matriz, pois era assim que as famílias faziam naquele tempo.
A toda hora chegavam visitantes na cidade. Esperancenses que residiam fora e aproveitavam a festa para rever a sua terra natal. O comércio se aquecia e não faltava trabalho.
Na igreja matriz o que já era lindo ficava agora deslumbrante. Todos os pilares eram enfeitados, os santos ganhavam uma pintura nova, além de adereços e flores.
Nas missas os cânticos entoavam com mais alegria e vigor; dona Júlia se esforçava na Serafina para tirar as notas enquanto que o coral, no alto do primeiro piso, ressoava sons angelicais. Havia uma áurea de encantamento no ar durante a celebração e os ouvidos se faziam atentos para a homilia. 
As noites eram dedicadas às famílias, aos motoristas, comerciantes, casais etc. e contava com a participação popular. As comunidades rurais registravam a sua presença, trazendo cada uma a sua oferenda. O encerramento de cada noitário se dava sob a invocação da senhora mater boni consilli.
Terminada a missa as famílias se dirigiam ao pavilhão paroquial. Comidas eram preparadas pelas senhoras da sociedade, bolos, tortas e pastéis. Mas a disputa se dava pelo prato principal, que era arrematado por uma boa quantia em prol dos trabalhos da igreja.
O pavilhão ficava na Manuel Rodrigues e tomava quase toda a rua. As garçonetes eram as mais lindas da cidade e serviam com dedicação. Músicas eram oferecidas em clima de paquera. E nas laterais, as pessoas se acotovelavam para realizarem o seu passeio na calçada.
O pastoril era um acontecimento a parte. As lindas jovens defendiam os seus cordões, cantando e encantando a platéia que alfinetava nas bandeirolas encarnada ou azul as suas contribuições.
Uma multidão se aglomerava nas ruas iluminadas pelos parques de diversão. Os namorados preferiam a roda-gigante, enquanto que as crianças passeavam no carrossel. Homens apostavam na roleta, moços jogavam argolas na esperança de ganharem um bicho de pelúcia para suas amadas. Os mais afoitos, procuravam acertar a marca com espingardas de setas.
O lanche era o saboroso cachorro-quente de seu Olívio Damião, com o refrigerante crush. Mas para quem não dispunha de recursos havia o famoso “pão com graxa” e ki-suco próximo a balaustrada.
Um tempo lúdico de alegria e contentamento que pode ser revivido todo ano na festa de nossa padroeira. Mudam os costumes, o jeito de se vestir... “Canoas” são substituídas por “barcas” e podem até oferecer outros desafios. Mas o amor da Virgem do Bom Conselho permanece o mesmo, e acolhe a todos os visitantes com seu amor maternal. 


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…