Pular para o conteúdo principal

AFC x Taubaté

Em março de ’59 retornava à Campina o Esporte Clube Taubaté, agremiação paulista dirigida pelo famoso Aymoré Moreira, depois de seis apresentações por gramados da Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco, para participar de dois importantes amistosos. A delegação bandeirante pousava em solo campinense às sete horas da manhã pelo avião do Loide Aereo, seguindo para o Majestic Hotel onde ficaram hospedados.
O América de Esperança despontava como uma das melhores times do interior, chamando a atenção de dirigentes e equipes que buscavam um bom certame. Com elementos como Manoelzinho, grande promessa do futebol paraibano, apontado como provável titular da seleção estadual, o “Mequinha” enfrentaria pela primeira vez uma equipe de grande envergadura.
A disputa foi registrada pelos repórteres do Diário da Borborema com grande sensacionalismo. À época, o presidente do clube esperancense concedeu entrevista, ressaltando que:
dois grandes valores reforçarão o conjunto americano no importante amistoso noturno de amanhã, um dos quais será Chico Preto, atualmente residindo em Nova Cruz, no Rio Grande do Norte. Dessa forma, a equipe que empatou recentemente com o Treze e venceu o Paulistano, poderá fazer boa figura no noturno de amanhã”.

A equipe alvirrubro dispunha diversos locais de venda na cidade para atender a grande demanda de esperancenses que acorreriam à Campina para prestigiar a partida.
Os americanos permaneceram concentrados em seu estádio desde a tarde que antecedia o enfrentamento, dia 13 de março. Embora submetidos a um duro treinamento, com vistas ao preparo físico dos jogadores para o grande jogo, não houveram contusões. Depois do treino oficial, foram oferecidos aos componentes uma alimentação especial.
Com muito entusiasmo, José Ramalho motivava os seus jogadores:

Venceremos o Taubaté! Conheço perfeitamente a fibra dos meus jogadores e estou certo de que na partida de sábado, o América marcará a maior vitória de sua carreira esportiva, em gramados campinenses, contra o esquadrão do famoso Aymoré Moreira.
Diante da responsabilidade do compromisso interestadual (primeira vez que o América enfrenta uma equipe do Sul), os jogadores esperancenses lutarão do começo ao fim da partida, como numa batalha de vida ou morte, pondo em prática, entretanto, um futebol vistoso e leal”.

Josusmá Viana, em crônica desportiva para o DB, ressaltava que a equipe do sul jamais sofrera uma derrota em campos nordestinos e que “o América é um quadro lutador e que contra grandes adversários apresenta sempre um futebol vistoso e objetivo”.
Os Americanos chegaram por volta das 18:30 horas ao Estádio Presidente Vargas, onde se realizava a preliminar entre Almirante e Ferroviário.
O jogo principal iniciou logo em seguida, mostrando a equipe paraibana melhor futebol do que seu rival bandeirante, “com sua linha ofensiva realizando incursões à meta de Rossi até marcar um ‘goal’, anulado pelo juiz Antonio Hermogenes, que confirmou impedimento assinalado pelo bandeirinha”.
Aos 18 minutos o “Mequinha” foi surpreendido com um tento contra de Chico Preto. Com isso uma nuvem negra caiu sobre os esperancenses e o mando de campo passou para o Taubaté, que marcou aos vinte e um com Vasconcelos.
Na etapa complementar, os visitantes marcaram aos onze minutos por intermédio do meia-esquerda Vasconcelos.
A súmula da partida registrou a participação do árbitro Antônio Hermogenes e os auxiliares Antônio Augusto e José Absalão, com renda de 27 mil cruzeiro e as seguintes escalações:
Taubaté: Rossi, Orlando Maia e Rubens; Renatinho, Mário Gardel e Berto, Vasconcelos (Teck) e Walter Prado (Evaldo).
América: Manoelzinho, Chico Preto (Pindaro) e Petita; Dico, Marcelino e Quincas; Jurinha (Biu), Arnaldo, Celedino, Vadinho e Teixeirinha.

Rau Ferreira
Referências:

- DIÁRIO DA BORBOREMA, Jornal. Edição de 13 a 15 de março, gentilmente cedidas por Jônatas Rodrigues do blog de Cuité. Campina Grande/PB: 1959.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…