Pular para o conteúdo principal

A chefia de Elysio Sobreira


Reportagem Especial

Com a emancipação do município de Esperança, o Coronel Elysio Sobreira, Comandante da Polícia do Estado, foi alçado pelo Dr. Solon de Lucena à condição de Chefe Político do novo município. Assim é que indicado pelo Partido Republicano foi aceito seu nome para este cargo tão importante.
Vindo então a esta cidade, recebeu diversas manifestações de carinho e solidariedade.
Um correspondente especial d’A União foi enviado a esta cidade para colher as impressões do seu povo. “Parecia-nos que naquele momento um sopro novo de energia vinha animando a vida esperancense. E todos confraternizados, faziam questão de estreitar cordialmente a figura varonil do novo chefe político deste município”, escreveu para o jornal em janeiro de 1926.
O Coronel Sobreira chegou a esta cidade às trezes horas, sendo recebido por uma girândola de fogos de artifícios, acompanhadas por vivas e aclamações. “(...) tudo denunciava o calor que se apoderava da alma deste povo, grande e heróico na sua dor, sublime e altivo na sua vitória”.
Severino Diniz apresentou-lhe os cumprimentos de boas vindas a quem agradeceu comovido o comandante. À noite, no paço do Conselho Municipal, a mocidade ofertou-lhe um baile que transcorreu na mais íntima cordialidade.
Em seguida ficou hospedado na vivenda do Sr. Manuel Rodrigues de Oliveira, onde a noite proporcionava um aspecto deslumbrante e encantador daquela vila.
Pela manhã foram os convivas foram surpreendidos com um telegrama do dr. Solon de Lucena, dirigido ao novo chefe político daquela comuna. À noite desse mesmo dia, na vivenda do Sr. Manuel Rodrigues de Oiveira,
A sociedade organizada compareceu para prestar-lhe as homenagens, destsacando-se a dos Empregados do Comércio e a do Círculo Operário São José. Fizeram uso da palavra nesta ocasião Theotônio Rocha e Bartholomeu de Barros, representando os comerciários, enquanto o pároco José Borges falou em nome da entidade religiosa. A essas saudações agradeceu Severino Diniz em nome do homenageado.
Em seguida, foram conduzidos ao “Ideal Cinema”, onde o povo esperancense ofertou-lhe um baile festivo. Disso nos dá conta o repórter, nos seguintes termos: “Ao transpor os umbrais daquela casa de diversões o Cel. Sobreira, foi alvo da mais significativa prova de consideração que lhe tributava a família esperancense. Foram aclamados os nomes dos drs. Solon de Lucena, João Suassuna, Carlos Pessoa e Cel. Elysio Sobreira, como inconfundíveis benfeitores da nossa causa.”
Uma nova salva de foguetões.ganhou o céu de Esperança, alongando-se pela madrugada a animadíssima dança.
Amanhecido o dia aparelhava-se o militar comandante quando é novamente surpreendido com a banda de música de Alagoinha e seu amigo Alfredo Moura, que “com palavras cheias de harmonia e encanto” brindava o visitante esperancense. Severino Diniz fez as honras e agradeceu os elogios.
À noite no “Ideal Cinema” houve nova danças oferecidas ao Cel. Sobreira. As famílias se congratularam com o honradíssimo chefe político, das quais destacavam-se a família Leitão, Cerqueira Rocha, Henriques [dr. João Henriques], Diniz, Rodrigues, Protázio, e muitas outras.
Por fim, depois de tanto alarde e confraternizações, partiu o comandante agradecido por todas as manifestações carinhosas devotadas a sua pessoa, às dez horas do sábado com destino à Capital, “deixando Esperança saudosa, num verdadeiro ambiente de paz, harmonia e solidariedade”.

Rau Ferreira

Fonte:

- Jornal “A União”, órgão oficial do governo da Paraíba. Quarta-feira, 27 de janeiro de 1926.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…