Homenagem: Basto de Tino e José Coelho

By | 12.8.14 Deixe seu comentário
Prof. José Coêlho da Nóbrega
O amigo Antônio Ailson Ramalho costuma homenagear em seu perfil da rede Facebook os esperancenses ilustres, mas hoje eu gostaria de lembrar dois poetas do passado: Sebastião Florentino e José Coêlho, a quem faremos uma breve homenagem de sua obra.
Sobre Sebastião Florentino - "Basto de Tino" - não temos muito a dizer. Em nossas pesquisas encontramos uma pequena referência no livro “50 Anos de Futebol e etc.”, de Francisco Cláudio de Lima.
Segundo o autor, ele fez parte da diretoria do Palestra Futebol Clube, agremiação surgida entre 1935 e 1937, e que teve grandes jogadores como Piaba, Biu Porto, Zé Simão e Negrinho Liberato. E também compôs o seu hino, que por sinal era muito bonito.
Segundo depoimento do saudoso Martinho Soares dos Santos, o obelisco construído sob o lagedo do Tanque do Araçá, na Beleza dos Campos e popularmente conhecido como “Capelinha”, possui hino próprio sendo uma composição do músico Sebastião Florentino, “Basto de Tino”, em homenagem à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
Assim é que o grande músico e violinista Basto de Tino nos deixou essa pequena quadra:

HINO DO PALESTRA FUTEBOL CLUBE

Palestra, palestra, Clube invejado,
Clube da pontinha desse esporte amado
A cantar, sempre a cantar
Esse hino, hino de glória
Para exaltar nossa vitória...

(Sebastião Florentino)


Já o professor José Coêlho da Nóbrega é citado como grande orador na obra “Esperança em verso e prosa”, de Inácio Gonçalves de Lima.
Oriundo de uma família tradicional, editor do jornal “Gillette” que circulava nas festas da padroeira de nossa cidade, e parente da inesquecível professora Celina Coêlho e do Ex-prefeito Antonio Coêlho, possuía uma mente brilhante, contava histórias de aventuras e declamava poesias. Foi um dos intelectuais mais influentes de nossa cidade, destacando-se ainda por ser um ótimo animador de quadrilhas.
São de sua autoria os hinos do América Futebol Clube e da vizinha cidade de Areal, ambos em parceria com sua filha Vitória Régia Coêlho.
Eis algumas de seus poemas:

MÃE                                                                                            EXORTAÇÃO


Mãe, túmulo de sofrimento                                             Quem te conheceu, ó minha terra
E berço de toda alegria                                                                  Quando era inda pequenina
Laboratório de bálsamo                                                                 Vê transformada a tua sina
Que a medicina não cria.                                                De clima de paz para o de guerra
                                                                                           E nesta dura verdade se encerra
(Prof. José Coêlho)                                                             Não há compreensão e nem amor
                Cada um que cante o seu valor             
Embora cegue o que dentro de si medra
Cego! Atira a primeira pedra              
                                                                                         Se não te julgas pecador

                                                                                                      (Prof. José Coêlho)

Os dois homenageados - de saudosa memória - hoje participam da história local, como ícones dos bons e velhos tempos.

Rau Ferreira


Referência:
- 50 Anos de Futebol e etc., de Francisco Cláudio de Lima, Ed. Rivaisa, 1994 - p. 17/18.
- Esperança em verso e prosa, de Inácio Gonçalves de Souza, produção independente, 2000 - p. 17 e 50;
- “Obelisco Nossa Senhora do Perpétuo Socorro”, monografia escrita por Martinho Soares dos Santos Júnior, Especialização em História do Brasil, orientadora Professora Maria José Oliveira, UEPB – 2004;

- Revista Centenário da Paróquia, Editor Jacinto Barbosa, 30 de maio de 2008.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: