Pular para o conteúdo principal

Entrevista: Evaldo Brasil

Evaldo Brasil
Evaldo Brasil nasceu no dia 12 de abril (apesar do registro constar 13) de 1968! Eis que este despontou ainda no ventre um revolucionário! Mas o engano só foi descoberto na sua adolescência e ai ele já era “galo-13-anista e simpatizante petista”.
Seu primeiro contato com as artes foi comum a todos: a TV. Asistida na Praça da Televisão ou em casa dos vizinhos, como só as crianças daquele tempo. A música a que se ouvia em casa; a dança nos “assustados” do CAOBE e o desenho dos “Gibis”, que aprendeu a ler sozinho. “Foi a que me levou ao grafite, à caneta, à ponta-porosa, ao pincel e às aulas no Departamento de Artes da então UFPB, Campina Grande”, escreveu. O teatro veio do movimento Mobraltec, e a poesia, da militância política e do ativismo cultural.
O interesse por Esperança e o seu vasto acervo, se cruzam com a história de Cisnes/Sombra Iluminada, reeditado por Roberto Cardoso na década de 80 e o descaso dos governantes em conservar a nossa memória.
O primeiro contato com o jornalismo teve em no “Novo Tempo”, que o levou igualmente aos bancos da faculdade. Um jornal vanguardista que circulou nos anos 80 a partir das idéias inovadoras de um grupo de amigos.
Coleciona moedas desde os 10 anos de idade, mas também guarda embalagens de cigarro, de miudezas diversas em caixas e sacolas. Seu principal hobbie, atualmente, é trabalhar vídeos, editando imagens e sons.
É político. E politicamente correto! “Porque tudo é política”, diz.
Interpelado sobre sua veia cômica, ri, embora virtualmente. Percebo as galhofas. E sorrateiramente explica: “Acho que ainda não havia rido nem provocado riso nesse diálogo atemporal, talvez alguma chacota de insensíveis. A veia cômica é coisa de sobrevivente. Não fui eu quem disse mas repito que, diante da miséria, rir e provocar riso é uma forma de resistência. Não sou de contar piadas, mas de ajustá-las a mim e aos que me rodeiam. Nem que seja para que riam de mim ou comigo”. E disse-o bem.
Poeta, escritor, jornalista, ator, humorista, redator, professor... quais os outros dons de Evaldo Brasil e por que ele é tão "inquieto"? Pois bem, não se considera escritor pois nada tem publicado em livros, salvo alguns poemas ingênuos em coletâneas e jornais.
O humorista, dize-o, é por minha conta. Põe na conta, caríssimo, que eu aceito! Se não te ressentes, és a figura mais séria e hilariante (no bom sentido) que conheço bem.
Acrescente-se ao dom musical as suas composições... E ao fim de tudo, deseja “sossego" à moda de Tim Maia. E como todos: “Ganhar menos, trabalhar menos e ensinar de graça... a quem queira, de fato. Talvez filho, se a natureza divina se encarregar”. E não é sempre assim? Essa
pergunto agora.
E já fez de tudo um pouco, o que um bom idealista provera: plantar uma árvore etc. Resta-lhe, tão somente: ser prefeito, diriam alguns, embora cante, à moda Raul Seixas, "mamãe, não quero ser perfeito, pode ser que eu seja eleito... e alguém pode querer me assassinar".

Rau Ferreira

Referência:

- Entrevista virtual com Evaldo Brasil, em 31 de julho de 2009, 15:18 h (e-mail).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…