Bom dia, Monsenhor Coutinho!

By | 5.7.14 Deixe seu comentário
Padre Zé Coutinho (1953)
Corria o ano de 1953, era um quarta-feira inusitada na cidade maravilhosa. Logo mais, pelas ondas da Rádio Tupi, seria anunciada a premiação “Honra ao Mérito” conferida a um clérigo parahybano, fundador de um instituto e figura expressiva na luta pelo bem estar social: Padre Zé, como era chamado com simpatia.
Era um religioso de meia idade, calvo e rechonchudo; com dificuldades para se locomover, e um coração do tamanho [ou até maior] que o seu Estado natal. Partira para o Rio para receber a homenagem mais que merecida. Deixara em João Pessoa uma centena de pessoas, carentes de um abrigo e afeto cristão. Mas suas obras não se resumiam ao pão, oferecia instrução aos analfabetos, ofício à juventude e, crença aos descrentes! Era bom, enérgico e doce ao mesmo tempo. Não era à toa que viera de uma cidade chamada ESPERANÇA!
A imprensa estampara em primeira mão:

“Monsenhor José Coutinho é a grande força da assistência social em moldes modernos no Nordeste, e sua obra constitui a afirmação mais bela e perfeita de uma vida, desde a sua ‘Casa do Pobre’, acolhedora e amiga, até a sua própria casa, onde batem todos, ou melhor, entram todos, porque as portas não se fecham nunca”.

Com efeito, o sacerdote constituía uma página da “Rerum Novarum” de ajuda aos desvalidos e desamparados; e todos desejavam-lhe vida longa “por omnia secculo, seculorum”.
Aquele dois de dezembro ficaria marcado aos que assistiram a solenidade da Esso Standard. A escolha foi unicamente regida pela promoção humana, em detrimento do paternalismo.
No anfiteatro, se aglomerava uma dezena de pessoas, enquanto que milhares ouviam em suas casas as palavras dirigidas ao homenageado. E em todo o país, apenas um se insurgiu contra, por coincidência o também paraibano autor de Fogo Morto.
O Diário Carioca de 06.01.1954, publicara um telegrama de seu compatriotas desgostosos com a declaração daquele outro Zé que, referindo-se a premiação de Oscar de Castro, no ano seguinte disse: “desta vez a homenagem que se vai prestar ao paraibano é a um autêntico homem de mérito”.
A Parahyba respondeu à altura, com uma calorosa recepção no aeroporto de Santa Rita ao Padre Zé.
Nacionalmente, este poderia ter sido a maior honraria concedida ao benemérito Padre Zé; mas a nível internacional, devemos lembrar o título de Monsenhor Camareiro, outorgado pelo Papa João XXIII.

Rau Ferreira

Referência:
- GAZETA DE NOTÍCIAS, Jornal. Ano 78, N. 277. Rio de Janeiro/RJ: 1953.

- ESPERANÇA, Revista da. Ano I, N. 04. Esperança/PB: 1997.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: