Pular para o conteúdo principal

São João de Esperança: Ontem & hoje

Casamento Matuto - Esperança/PB
Antigamente quadrilhas e casamentos matutos aconteciam no pátio do “Irineu Jóffily” e em outros locais elas eram animadas por Benício Nóbrega, Antonio Coelho, Teotônio Rocha, Matias Virgolino e Ascendino Portela. Haviam rodas de cocos organizadas por Zé Luiz e os irmãos Pichaco Adauto e Honório, enquanto João Benedito fazia versos de improviso com a sua irreverência.
No Cine São Francisco, de Titico Celestino, apresentavam-se artistas renomados como Marinêz e sua gente. E o CAOBE foi palco igualmente de grandes shows, assim como as Amigas do Lar, que costumeiramente neste período faz exposição de artesanato.
Os anos 80 ficaram marcados pelo sincretismo que uniu aspectos do passado com as novas tendências do São João. Assim surgiu em 1989 o “Arraial da Esperança”, contando com barracas, ilhas de forró e a participação de quadrilhas de outras cidades, caracterizado por um portal de entrada principal na festa. Destacaram-se neste cenário os locutores Ednaldo Sales e Gera Som; e as bandas Estação da Luz, Lú Natureza e Chico de Pepê.
Em 2004, durante a gestão “Trabalho com participação”, os festejos ganharam os bairros com o apoio da Ban Fm (87,9 Mhz) e participação de Luciano André. Nesse período houve considerável efervescência artístico-cultural e surgiram novos artistas, a exemplo de marcadores de quadrilha como Júlio Vanderlâneo do Grupo de Cultura B. Funk e Naldo de Seu Zezinho.
Junho de 2002 foi marcado pela performance de Fernando e Marinalva representando o casal matuto Macambira e Querindina, com muita irreverência e trejeitos que o nordestino conhece bem. E durante a copa de 2006 surgiu o “Imbirinha” (Alexandre Santos).
 Em 2010 tivemos a primeira edição do S. João de Todos, promovido pela Prefeitura Municipal, com a representação da Vila Banabuyé lembrando as casas baixas ao largo da Igreja matriz.
O artesanato local mereceu igual destaque, pois cada uma das casas da antiga vila abrigou uma especialidade, além de um espaço dedicado à saúde, imprensa e outras secretarias municipais.
Neste ínterim não podemos nos esquecer do São João promovido pela Comunidade São Francisco. Com palhoça e muito forró, os Amigos do Bairro conseguem fazer um dos melhores festejos juninos do município.
Em diversas ruas da cidade há apresentação de quadrilhas, folguedos e danças populares durante todo o mês junino.
Já no ano de 2012, o diferencial foi a a cobertura do São João esperancense se dará através da Ban Fm 87,9 Mhz e dos sites e blogs locais, com ampla divulgação. Além de uma reportagem especial da TV Lyrio Verde, e da equipe de Luciana Filmagens e Marcos Fotografia.
A tradicional Corrida da Fogueira em sua XV edição, teve início às 14h30 do vesperal juanino, com a seguinte premiação: 1º lugar R$ 400,00; 2º lugar R$ 200,00 e 3º lugar R$ 100,00 – cuja maratona passará pelas ruas: Manoel Rodrigues/Solon de Lucena/João Pessoa/Monsenhor Severiano/Campo da Rodoviária/Silvino Olavo/Senador Epitácio/Manoel Palmeira/Travessa Sebastião Nicolau/ Napoleão Laureano/Manoel Henrique/Ginásio o Vovozão/João Mendes/José Andrade/Joaquim Virgulino/ Solon de Lucena e chegada ao Arraial da Esperança.
Após o trajeto, consagrou-se tetra campeão o corredor Jovenildo Bezerra Dias, de 37 anos, que percorreu os 5km em 14 minutos e 10 segundos, ocupando a segunda colocação Paulo Sérgio Barros, e em terceiro lugar Cícero Antônio Ferreira do Nascimento.
A prova contou com o apoio da Polícia Militar e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU.
Neste ano, a principal atração é a dupla sertaneja ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO, com apresentações de FLÁVIO JOSÉ, TON OLIVEIRA, FELIPE LEMOS, BANDA FERAS, DUQUINHA, RANIERY GOMES, FORRÓ DOS PRIMOS, FORRÓ COCO SECO, FIXAÇÃO e FARRA DE PATRÃO, GRUPO SHOW LÚ NATUREZA, SANDRO SHOW E LIMA JÚNIOR, IVANILDO VILA NOVA E ROGÉRIO MENEZES, emboladores CURIÓ E LAVANDEIRA e o poeta IPONAX VILA NOVA, e ainda destaque para o artesanato, festival de quadrilhas e muitas outras atividades. A programação completa pode ser vista no site da PME: http://www.prefeituradeesperanca.pb.gov.br/.
Procuramos fazer aqui um resumo desta festividade mas esperamos que o leitor internauta complemente este artigo com seus comentários, acrescentando suas impressões pessoais e memórias e construindo desta forma a memória coletiva de Esperança.

Rau Ferreira

______________________________
© História Esperancense
http://historiaesperancense.blogspot.com

Referências:
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Esperança/PB. Ed. Unigraf: 1985;
- OLAVO, Silvino. Cines/ Sombra Iluminada. Esperança/PB: 1985;
-         Revista Comercial de Esperança, Ano V, Ed. Fernando Rocha: dezembro de 2008, p. 08/09;

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…