Fazenda Banaboé Cariá

By | 2.6.14 Deixe seu comentário
As terras que se constituem hoje parte do município de Esperança, “era ocupado pelos currais de uma fazenda chamada Banabuié” (MEDEIROS: 1950, p. 91), que “perdurou até 1860” (MELO: 1995, p. 03).
O nome, de origem indígena, significa: Bana (borboleta) e Buy ou Puyú (brejo), cuja junção nos vem “Brejo das Borboletas”. A sua grafia apresenta alterações de acordo com a época em que se insere, podendo variar de Banabuyé, Banabugê, Banabuhe, Banaboê, Banabuié, Banaboié ou Banabuiú, por exemplo.
Narra a história que o casal Marinha Pereira de Araújo e João da Rocha Pinto, descendentes dos Oliveira Ledo, “estabeleceram-se em Lagoa Verde (Banabuê - no brejo), cerca de oitenta quilômetros da fazenda Santa Rosa” (SOARES: 2003, p. 52).
Acerca de sua existência, podemos verificar que a Sesmaria nº 569, concedida em 1762, entestava “pelo poente com terras da fazenda Banaboé Cariá”, que faziam “peão no sitio S. Thomé onde fizeram cazas de palha” (TAVARES: 1910, p. 302).
O Capitão-mor Clemente de Amorim e Souza, em um documento de 1757, menciona: “o sítio chamado Banabué situado a beira de um açude”.
Por sua vez, a Data de nº 930, de 16 de outubro de 1789, cita igualmente o “Riachão de Bonaboié” em toda a sua extensão, assim como a Lei Provincial N° 651, de 04 de outubro de 1877, refere-se a Banabuyé.
Irineu Joffily nos informa que:

Banabugê ou Esperança (...), era simplesmente uma fazenda de criação, (...). As gameleiras com que a rua principal está arborizada foram estacas dos currais da fazenda” (JOFFYLI: 1892, p. 10).

Aliás, a sua família costumava passar “os invernos em um pequeno sítio à sombra de imensa rocha, que guarda um pouco de umidade para os terrenos do nascente. O local era conhecido por Banabuié”.
A propriedade se apresentava como entreposto de criação de gado, sob os domínios do Juizado de Paz do Cariry de Fora (1776), da jurisdição de Campina Grande.
Nela encontrava-se o maior e mais importante manancial da região, que era “a alagoa do Banaboié, com uma milha de círculo” (R.IHGP: 1911). E diversos tanques de pedra, a exemplo do velho Araçá. O lugar havia sido primitiva morada dos índios, que foram expulsos pelos colonos.
No entorno de suas terras foi que surgiu, por volta de 1860, uma feira semanal bastante freqüentada e uma capela sob a invocação de N. S. do Bom Conselho, dando início a nossa povoação.

Rau Ferreira

Referência:
- CÂMARA, Epaminondas. Datas Campinenses. Departamento de Publicidade. Campina Grande/PB: 1947.
- IHGP, Revista do. Volumes 3-4. Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba: 1911.
- JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Parahyba, Editora Typographia do "Jornal do Commercio": 1892.
- MEDEIROS, Coriolando de. Dictionário Corográfico do Estado da Paraíba. Imprensa Nacional: 1950.
- MEDEIROS, Tarcízio Dinoá. Freguesia do Cariri de Fora, Tarcízio Gráfica Editora Camargo Soares. São Paulo: 1990
- MELO, João de Deus. Esperança e seus primórdios. Jornal Novo Tempo, Edição Comemorativa. Ano IV, nº 23. Novembro. Esperança/PB: 1995.
- NACIONAL, Anais da Biblioteca. Vol. 111. Imprensa Nacional: 1991.
NORTE, Parahyba do. Collecção das Leis Provinciaes de 1869. Typografia dos herdeiros de J.R. da Costa, Rua Direita nº 20: 1869.
- PARAHYBA, A. Vol. 2. Imprensa Official. Parahyba do Norte: 1909.
- SERAFIM, Péricles Vitório. Remígio, Brejos e Carrascais. Ed. Universitária. UFPB: 1992.
SOARES, Francisco de Assis Ouriques. Bôa Vista de Sancta Roza: de fazenda à municipalidade. Campina Grande/PB. Epgraf: 2003.
- TAVARES, João de Lyra. Apontamentos para a História Territorial da Paraíba, Vol. I, Imp. Of., Pb., 1910;

ALMEIDA, Epídio de. História de Campina Grande. Edições da Livraria Pedrosa: 1962.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: