Pular para o conteúdo principal

Domingueira anos '80

Quando criança pouca coisa nos tira a rotina, tudo parece em sequência. Os dias passam como um filme.
O domingo da minha infância na cidade de Esperança pode ter sido igual a muitos que se veem por aí, mas tinha um gostinho especial.
Depois de acordar cedo no sábado para enfrentar a feira livre às quatro da matina onde negociava miudezas no mercado junto com o meu avô Antônio Ferreira, dormia até às oito e acordava disposto a rodar bicicleta.
No meu tempo - ou nas minhas condições - este era um artigo de luxo! Fazia sucesso a "bicicross" mas só podíamos alugar barra circular sem paralamas de Zé Antonio na calçada do supermercado, na rua Manuel Rodrigues. Podia-se locar uma manhã inteira mas minhas economias bastavam para hora e meia.
Cada veículo tinha uma numeração que o proprietário anotava na sua caderneta com o horário da devolução. Era uma fila de "magrelas" a maioria na cor vermelha. Tinha também o aluguel de Edinho, em menor escala.
Circulava de bike pela cidade que para mim se resumia a seis ou sete ruas. De quando em vez soltava as mãos do guidão e pedalava em malabarismo. Quando cansado, parava na sorveteria de Irene e comprava picolé direto da fábrica.
A tarde se resumia às matinés no Cine S. José e os filmes preferidos eram Os Trapalhões ou Simbad. Seu Manezinho mantinha a ordem e recebia os bilhetes na entrada. Mas antes comprávamos balas e doces na barraca de Dona Mariza. Às vezes tinha jogo no Campo do América e a gente se espremia para ver a turma jogar tomando din-din.
A noite havia o passeio na Praça da Cultura, que na época permitia uma volta inteira subindo e descendo pelo outro canto da rua. Os colegas da escola era companhia frequente e todos sentavam na calçada da Biblioteca. Quando dava compartilhavamos uma rodada de refrigerante com cachorro-quente na barraca de Ledo ou de Tité.
Na segunda começava tudo de novo, torcendo para chegar logo o final de semana. Era assim a nossa "domingueira" a lá anos 80.


Rau Ferreira

Comentários

  1. A domingueira dos anos 60 só tinha duas alternativas: Ir ao matinê do cine São José ou ir ao estádio ver o América jogar. Ninguém tinha televisão, não existia celular, e, quem tinha sua namorada, passear com ela, e, ainda, ir para a sorveteria tomar um sorvete. E mais nada.

    ResponderExcluir
  2. Tô mais pra do Rau que pra do João. Não alugava bicicleta mas pegava o cinemão. Eram Os Trapalhões e as voltas na Praça. Cachorro quente o primeiro ainda foi na barraca de Manezim...aquilo sim era um lanche!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…